Secretaria Municipal de Saúde






Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.

Artigo Artigo XXV da Declaração Universal de Direitos Humanos



Saúde, Ciência, Pesquisa, Arte, Cultura, nossa gente da SMS, e o que mais possa interessar.



Organizado por William H Stutz

Veterinário Sanitarista

whstutz@gmail.com



Este Blog é independente, sem vínculo oficial com instituição alguma.
Todos
estão convidados a contribuir com informações de interesse coletivo.





quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Capacitação

Secretaria de Saúde treina mais profissionais sobre funcionamento de redes do SUS
O treinamento será destinado a diretores, coordenadores de programas e de unidades, apoiadores e facilitadores da Rede Municipal de Saúde


A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Uberlândia realizará amanhã,(hoje) dia 20, a 8ª Oficina sobre o Funcionamento de Redes dentro do Sistema Único de Saúde (SUS). A Oficina será ministrada pela médica e consultora da SMS, Maria Emi Shimazaki, das 8h às 12h e das 13h às 17h30, no bloco 3Q, sala 201, no campus Santa Mônica da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), e contará com a participação de diretores, coordenadores de programas e de unidades, apoiadores e facilitadores da Rede Municipal de Saúde.

O objetivo da Oficina é dar continuidade ao Plano Diretor da Atenção Primária à Saúde, que visa, entre seus objetivos, reduzir o número de internações que podem ser evitadas com o trabalho da atenção primária e a qualificação permanente dos profissionais, promovendo também a melhoria da gestão. É nesta tônica que a consultora da SMS, Maria Emi, desenvolverá a oficina, enfatizando, por exemplo, que o acesso à saúde deve ocorrer pela Rede Básica de Saúde (atenção básica) e que somente os casos de maior complexidade devem ser encaminhados aos serviços especializados, que podem ser organizados de forma municipal ou regional, dependendo do porte e da demanda do Município.

Maria Emi deverá discorrer, ainda, sobre as principais redes de atenção que compõem a alta complexidade do SUS, tais como: assistência ao paciente portador de doença renal crônica por meio dos procedimentos de diálise; assistência ao paciente portador de oncologia; cirurgia cardiovascular; cirurgia vascular; cirurgia cardiovascular pediátrica; procedimentos da cardiologia intervencionista; procedimentos endovasculares extracardíacos etc.

Fonte: Portal PMU