Secretaria Municipal de Saúde






Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.

Artigo Artigo XXV da Declaração Universal de Direitos Humanos



Saúde, Ciência, Pesquisa, Arte, Cultura, nossa gente da SMS, e o que mais possa interessar.



Organizado por William H Stutz

Veterinário Sanitarista

whstutz@gmail.com



Este Blog é independente, sem vínculo oficial com instituição alguma.
Todos
estão convidados a contribuir com informações de interesse coletivo.





segunda-feira, 30 de junho de 2008

Vigep - junho

Elaize envia notícias da VIGEP.
Clique no quadro abaixo para ampliá-lo

Consulta Pública

Recebemos de Maria Francisca Abritta Moro, com muito prazer repassamos para conhecimento e principalmente envolvimento de todos nós profissionais da Saúde



Esta consulta pública pode ser acessada no link abaixo
http://dtr2004.saude.gov.br/consultapublica/index.php, ou pode ser também pelo site do portal da saúde http://portal.saude.gov.br/saude/, no Índice de Serviços à esquerda do site sob o título "Consulta Pública".


Consulta Pública da Política LGBT
O Ministério da Saúde, por meio da Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, lança a Consulta Pública da Política (LGBT), Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais.

A Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, que ficará em consulta pública pelo período de 20 de junho a 30 de julho de 2008. Posteriormente a política será encaminhada ao Conselho Nacional de Saúde (CNS) para aprovação e para o Fórum de Pactuação Tripartite.

A Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, articulam um conjunto de ações e programas de todas as Secretarias e Órgãos vinculados ao Ministério da Saúde e potencializa medidas concretas para o SUS a serem implantadas pelo Ministério da Saúde e pelas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde. Desta forma, a Política apresenta um caráter transversal, cuja formulação, implementação e avaliação devem ser compartilhadas e participativas.

A Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, por meio do Departamento de Apoio à Gestão Participa receberá sugestões e prestará maiores informações sobre o tema: sgep.dagep@saude.gov.br

Curso Saúde Bucal

Com o objetivo de realizar ações preventivas à cárie e doenças periodontais, a Equipe de Saúde Bucal do PSF Zona Rural em parceria com o SENAR, realizou um curso de Saúde Bucal nos distritos de Tapuirama e Cruzeiro dos Peixotos, para um público de 20 pessoas em cada curso, formado por professores, lideres comuninatários, e profissionais da equipe de saúde tais como agentes de saúde, atendente de consultorio dentario, enfermeiro e dentista.

Com um total de 20 horas os participantes tiveram a oportunidade de discutir a importância da Saúde Bucal na prevenção da saúde geral, identificar fatores etiológicos da doença cárie e doença periodontal, considerar a importância da dieta no processo de evolução da cárie e doença periodontal, priorizando o consumo de alimentos saudáveis, maneiras de realizar a prevenção nas diversas etapas da vida e em pacientes especiais com enfase a gestação e ao aleitamento materno. Identificar os aspectos preventivos relacionados ao Câncer Bucal e doenças bucais mais comuns através do auto exame e realizar a higiene bucal, utilizando corretamente revelador de placa bacteriana, escova, creme e fio dental.

Ao final a equipe de Saúde Bucal agradeceu ao orientador Dr Jose Aprigio com a entrega de um certificado, e ao casal Odete e Gerson por ter hospedado o Dr. Jose Aprigio em sua residência durante sua permanência em Tapuirama

Eduardo Luiz da Mata Gonçalves
Dentista PSF Zona Rural















I ciclo de oficinas

I CICLO DE OFICINAS DE PREPARAÇÃO PARA O PARTO E ALEITAMENTO PARA GESTANTES


Este ciclo faz parte dos compromissos do Programa Mãe Uberlândia, que tem como objetivos melhorar a qualidade do atendimento às gestantes e crianças, garantir o acesso ao parto com a complexidade e qualidade necessárias, entre outros.

Além da oferta de oficinas de preparação ao parto e aleitamento, o programa faz o acompanhamento da gravidez através de consultas médicas e de enfermagem, garantia de exames laboratoriais, vacinação atualizada e outras medidas.

A redução de gravidez na adolescência, bem como a redução de partos prematuros e das taxas de mortalidade materno-infantil, além do planejamento familiar são outros objetivos do Programa Mãe Uberlândia.

A UBS Custódio Pereira realiza o I Ciclo de Preparação para o Parto e Aleitamento para gestantes nesta semana, sempre às 14 horas, no Centro de Referência de Assistência Social Casa da Família do Bairro Custódio Pereira, situada na Rua Luiz Vieira Tavares nº 1199 com a seguinte programação:

30/06 - segunda-feira
Vantagens do Aleitamento Materno Exclusivo
Enfermeira Bárbara Nascimento Lima

02 de julho - quarta-feira
Cuidados com o Recén-Nascido
Pediatra Márcia Mendes

04 de julho - sexta-feira
Orientações sobre Parto Normal, Cesariana e Pós-Parto
Enfermeira Wilma Nunes Amorim

Para este encontro foram convidadas especialmente 12 gestantes, mas outras pessoas interessadas podem comparecer.
Maiores informações na UBS Custódio Pereira, por telefone 3232 4757 ou 88053766 ou envie uma mensagem para:Email: ubscustodio@uberlandia.mg.gov.br

sábado, 28 de junho de 2008

Tuberculose

Programa de Tuberculose treina agentes
penitenciários para identificar a doença

O Programa Municipal de Tuberculose realiza nesta segunda-feira, dia 30 de junho, no auditório Cícero Diniz, um treinamento para os agentes penitenciários do Presídio Jacy de Assis. O objetivo é capacitá-los para a identificação precoce da doença. O treinamento será ministrado pela equipe do Programa, que é coordenado pela assistente social, Rosária Maria Paixão. Aproximadamente 100 agentes devem participar, divididos em duas turmas: das 8h às 12h e das 12h30 às 17h30.

O treinamento faz parte das propostas do Programa Municipal de Tuberculose para reduzir ainda mais a incidência da doença no município. De acordo com Rosária Maria, estima-se 43 casos por um grupo de 100 mil habitantes livres enquanto que nas condições de presídio o número eleva-se para 100 casos. “Já que em condições carcerárias, a doença ocorre com maior freqüência, vamos multiplicar as informações para que os casos suspeitos cheguem o mais rápido possível às unidades de saúde”, destaca.

Fonte:
Cristina, jornalista da Secretaria Municipal de Gestão Estratégica e Comunicação PMU

Oficina

Oficina para profissionais da saúde começa dia 30

Conscientizar e prevenir sobre doenças relacionadas ao trabalho são os eixos principais da oficina “Cuidando do Trabalhador de Saúde” que será realizada no período de 30 de junho a 4 de julho, para 160 profissionais da área, no Hotel Carlton Plaza*. A promoção é da Secretaria Municipal de Saúde, por meio da sua Coordenação de Ações em Serviço Social, departamento de Gestão de Pessoas, e apoio do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST).

A oficina contará com a presença do doutor em Psiquiatria e Antropologia, Adalberto de Paula Barreto, também professor da Faculdade de Medicina de Terapia Comunitária em Fortaleza (CE).
O público alvo será composto por assistentes sociais, enfermeiros, fisioterapeutas, dentistas, psicólogos e nutricionistas. Outro objetivo é orientar os participantes, trabalhadores da Rede de Saúde do SUS, para aumentar a auto-estima e melhor prepará-los emocionalmente para atuar junto à população usuária.

* Avenida Antônio Thomaz F. Resende, nº. 160, bairro Nossa Senhora das Graças.

Fonte:
Cristina, jornalista da Secretaria Municipal de Gestão Estratégica e Comunicação PMU

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Boca de Cena

Oficina Cultural recebe inscrições para a 2ª etapa do Boca de Cena
A segunda etapa do Boca de Cena será realizada de 13 a 19 de outubro de 2008




A Prefeitura de Uberlândia, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, informa que as inscrições para a segunda etapa do Projeto Boca de Cena poderão ser feitas até o dia 8 de agosto, na Oficina Cultural, localizada na praça Clarimundo Carneiro, 204, no bairro Fundinho, de segunda a sexta-feira, das 12h às 18h, com Lucas Nascimento ou Thaís Mamede. A segunda etapa será realizada de 13 a 19 de outubro de 2008. O resultado dos espetáculos selecionados, as datas de ensaios e apresentações, bem como os horários de montagem, serão divulgados no dia 18 de agosto.

Para as inscrições, deve ser apresentado o seguinte material: roteiro do espetáculo, texto e material de divulgação, como fotos e release do espetáculo, quando houver; além do projeto de encenação, contendo sinopse do espetáculo; plano de cenografia com dimensões e constando ou não o transporte do material cênico; mapa de luz; relação dos equipamentos a serem utilizados na sonoplastia; informações sobre o tempo de montagem e desmontagem, e, também, declaração comprobatória de autorização do autor e/ou comprovante de pagamento para utilização dos direitos autorais junto à Sociedade Brasileira de Autores Teatrais (SBAT). Caso o texto seja de autoria do grupo ou de domínio público, deve ser apresentada uma declaração assinada pelo grupo com firma reconhecida e ficha técnica, contendo o nome do responsável pelo grupo, nome do diretor, número de pessoas do elenco e currículo completo do grupo.

Cada grupo poderá se inscrever com até dois trabalhos, mas apenas um poderá ser selecionado. O espetáculo deverá ter duração mínima de 30 e máxima de 90 minutos. A Secretaria de Cultura oferecerá a divulgação em mídia espontânea, flyers (material gráfico), filipetas xerocadas, ingressos como material de divulgação, transporte de material cênico, gratuidade de utilização do espaço público e repasse da bilheteria da apresentação.

Fonte:

Escorpiões

Lixo e queimadas contribuem para aparição de escorpiões

Jornal da Cidade
Data: 26/06/2008

Foto: Marina Mineo
O número de acidentes com escorpiões notificados em 2008 segue a tendência dos registros do ano passado. Até o momento o Laboratório de Animais Peçonhentos da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) notificou 14 casos de pessoas que foram picadas pelo aracnídeo, média de 2,3 picadas por mês. Em 2007, foram 2,8 casos por mês. Mas os registros podem aumentar com as queimadas em terrenos baldios que obrigam os escorpiões – também cobras, aranhas, insetos e roedores – a procurar abrigo. Os imóveis próximos ao local podem ser afetados.

De acordo com o coordenador do laboratório, William Henrique Stutz, os números de acidentes podem ser mais elevados, em virtude das pessoas não informarem a SMS. “Sabemos que é muito maior, mas é uma coisa cultural [não informar], elas imaginam que é como se fosse uma picada de abelha porque acreditam que não vão ter problema e, na maioria das vezes, não tem mesmo”, avalia. “Mas deveriam notificar para haver um registro mais detalhado das áreas afetadas”, justifica. Em 2007, o Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC/UFU), atendeu a 58 pessoas picadas por escorpiões. Este ano, até maio já foram 24 atendimentos.


CAUSAS – A aparição de escorpiões, cobras e aranhas está relacionada à falta de cuidados de parte dos moradores. “Há 25 anos trabalho com escorpião e sempre recomendo às pessoas que tomem cuidado. Temos coletas de lixo em toda a cidade e não justificativa a pessoa jogar lixo no terreno baldio. É falta de consciência, não sabem viver em comunidade e prejudicam a todos”, ressalta Stutz. Os escorpiões podem entrar em uma residência de varias formas, inclusive pela porta de frente. “Mas a rede de esgoto é o principal canal. Para evita problemas, é recomendada a instalação de ralos giratórios e telas protetoras”, observa. Os bairros de maior incidência do animal são: Centro, Martins, Cazeca, Aparecida e Fundinho.

COBRAS E ARANHAS – Quanto às aranhas, Stutz afirma que a armadeira predomina na região e, embora seja perigosa, não há registros de acidentes no Município. No caso das cobras, de acordo com o especialista, em 2007, foram notificadas 204 aparições e neste ano, 107. “Em todos os casos, 99,9% eram de cobras não venenosas. Tivemos pouquíssimos casos de pessoas que moram na zona rural, que capturam animais venenosos como uma jararaca, por exemplo, que aparece na propriedade e trouxeram para o laboratório. Deveriam deixar o bicho lá que é o habitat natural dele, porque é isso que vamos fazer, levar de volta”, brinca. Porém, em 2007, o HC/UFU atendeu 17 pessoas picadas por aranhas e 44 por cobras. Até maio deste ano foram 6 atendimento por picadas de aracnídeos e 19 por serpentes.



ESCORPIÕES DE IMPORTÂNCIA MÉDICA

-Amarelo - Tityus serrulatus
-Marrom - Tityus bahiensis
-Status - perigosos
-Incidência - nas Américas
-Sintomas - dor imediata e profunda
-Pode levar a morte - Minas é o estado que mais registra morte por picada de escorpião

-Grupo de risco: crianças de baixo peso até seis anos, idosos e alérgicos às proteínas do veneno.
-Em caso de acidente procurar o pronto-socorro imediatamente.


ESCORPIÕES INOFENSIVOS

-Rajado/pintado - Tityus matogrossensis
-Preto e brilhante - Bothriurus araguayae
-Ambos são pequenos e não oferecem risco, o bothriurus está ameaçado de extinção.



SAIBA MAIS

Laboratório de Animais Peçonhentos da SMS
Segunda a sexta-feira
7h às 18h30
Avenida das Américas, 333, Patrimônio
3255-3028


Fonte: Jornal da Cidade


Nota do Blog da Saúde:

  • A foto de escorpião que ilustra a materia do jornal é de Marina Mineo

  • Mais sobre o trabalho do Laboratório de Animais Peçonhentos de nossa Secretaria Municipal de Saúde (SMS)
    AQUI e AQUI

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Picolé funcional

Por Thiago Romero

Agência FAPESP – O bagaço de duas variedades de uva, subproduto do processamento de vinhos e sucos que normalmente é descartado, pode contribuir para a redução do risco de cânceres e doenças cardiovasculares. A conclusão é de Emília Ishimoto, pesquisadora do Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP).

Em sua tese de doutorado, a pesquisadora fez a desidratação e trituração da casca e das sementes de duas variedades de uva, cabernet sauvignon e isabel, para obtenção de um tipo de farinha de bagaço e, em seguida, para a elaboração de extratos concentrados.

Com o objetivo de avaliar a capacidade antioxidante do bagaço e sua atuação no perfil lipídico dos animais, 60 hamsters foram divididos em seis grupos e submetidos a diferentes dietas. Um grupo utilizado como controle recebeu alimentação normal e outro teve dieta acrescida com óleo de coco, de modo a aumentar o teor de gordura consumido.

Os outros quatro grupos de dez animais se alimentaram com subprodutos do bagaço de uva, sendo dois com extratos e dois com farinhas de vinho, um de cada variedade da fruta. Depois de cerca de um mês, os pesquisadores coletaram amostras de sangue e sacrificaram todos os animais para extrair seus fígados.

Os quatro grupos de hamsters tratados com bagaço de uva, de acordo com Emília, apresentaram uma redução de até 32% do colesterol total em relação aos outros dois grupos que não ingeriram os subprodutos.

“De modo geral, os animais que consumiram ração elaborada com os subprodutos do bagaço de uva tiveram uma melhora do perfil lipídico no sangue, o que pode implicar redução de risco contra doenças do coração”, disse ela à Agência FAPESP.

“Dosamos os níveis de triglicérides e de HDL e LDL no sangue de todos os animais, conhecidos como colesterol bom e ruim, e verificamos que os quatro grupos tiveram uma redução média de 50% nos níveis de triglicérides, em comparação com os outros dois grupos que não consumiram os subprodutos da uva. Observamos ainda uma redução de até 30% da fração LDL nesses quatro grupos”, disse.


Potencial antioxidante

As enzimas antioxidantes do bagaço de uva foram mensuradas no fígado dos animais. “Algumas dessas enzimas hepáticas também tiveram aumento estatístico considerável. A enzima catalase, por exemplo, que protege o organismo contra a ação de radicais livres, teve seu poder de ação dobrado”, contou Emília.

“Com a melhora do perfil antioxidante dos animais também é reduzido o risco de várias doenças relacionadas ao estresse oxidativo, como câncer, diabetes, Parkinson e Alzheimer. Quase todo o resíduo de bagaço consumido no Brasil para produção de vinho e suco é desprezado na natureza, ainda que seja um suplemento alimentar de baixo custo e com alto valor nutricional”, disse.

Com alguns dados estatísticos sobre o perfil lipídico e antioxidante dos grupos que se alimentaram com o bagaço em mãos, a pesquisadora deu início ao desenvolvimento de um processo de produção de um sorvete, tanto de massa como picolé, utilizando bagaço de uva como ingrediente funcional.

Para verificar seu potencial de comercialização, ela realizou uma avaliação sensorial com 43 indivíduos, por meio de um método para medir a aceitação do paladar em uma escala variável de sabor.

“Os sorvetes foram aprovados sensorialmente e, após completarmos esse ciclo, fizemos o depósito de patente do processo de produção do sorvete e da farinha. Com esse mesmo processo também é possível produzir outros alimentos como bolos, pudins, iogurtes e barras de cereal”, afirmou.

O trabalho, que teve orientação de Elizabeth Ferraz da Silva Torres, do Departamento de Nutrição da FSP, foi realizado no âmbito de um projeto apoiado pela FAPESP na modalidade Auxílio a Pesquisa.

Participaram também pesquisadores da Faculdade de Medicina da USP, da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS).

Informatização da Saúde

Prefeitura inicia o processo de informatização da Saúde
Piloto na UAI São Jorge apresenta funcionamento da Rede de Atenção Integrada de Saúde com a implantação do Cartão Municipal de Saúde, do Prontuário Eletrônico do Paciente e do PSF Móvel


O primeiro passo para a informatização da Rede de Atenção em Saúde do Município de Uberlândia foi dado nesta terça-feira, 24, na Unidade de Atendimento Integrado – UAI São Jorge, com a implantação do Cartão Municipal de Saúde, do Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) e do sistema Programa Saúde Família – PSF Móvel. Estes três instrumentos, com funcionamento integrado, fazem parte da Rede de Atenção Integrada de Saúde – RAIS. Após a apresentação teórica do sistema, foi impresso um Cartão Municipal de Saúde e feito o primeiro contato, via internet, com uma das unidades do Programa Saúde da Família.

De acordo com o secretário de saúde do Município, a RAIS será implantada gradativamente, interligando os 84 pontos de atendimento à saúde, via internet, com funcionamento em tempo real. O secretário estima um prazo de 120 dias para a implantação completa na RAIS.

Cartão Municipal de Saúde

O Cartão Municipal de Saúde é um instrumento que possibilita o acompanhamento de todos os procedimentos executados no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) ao usuário, ao profissional que os realizou e também à unidade de saúde onde foram realizados. Para tanto, a Secretaria Municipal de Saúde começou o cadastro dos usuários no Ministério da Saúde. O cartão é identificação do usuário, constando o número do prontuário que ele tem nas Unidades Básicas de Saúde, número do prontuário da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e o número válido em todo território nacional.

As pessoas que moram nas áreas dos Programas Saúde da Família (PSFs) vão ser cadastradas pelos Agentes Comunitários de Saúde. As demais serão cadastradas quando forem às Unidades para receber atendimento, com a carteira de identidade ou de trabalho, título de eleitor, certidão de nascimento ou casamento ou CPF, além de comprovante atual de residência.

Prontuário Eletrônico do Paciente

A implantação do PEP vai interligar o atendimento do paciente em todas as Unidades de Saúde. Com o PEP, a visão principal é o paciente, a construção de sua história clínica. O seu uso facilitará o acompanhamento do paciente, de tal forma que o profissional que o estiver atendendo terá a possibilidade de saber o que foi feito nos atendimentos anteriores e principalmente acompanhar a sua evolução clínica.

PSF Móvel

O PSF Móvel vai permitir que os agentes comunitários registrem as informações sobre os pacientes, coletadas durante as visitas domiciliares. O agente poderá fazer melhor o acompanhamento das famílias de sua responsabilidade. Para isso, farão uso de equipamento eletrônico móvel.

Em todos os processos serão atendidos os preceitos éticos resguardando o sigilo das informações.

Fonte:

quarta-feira, 25 de junho de 2008

D. Ruth Cardoso

O Blog da Saúde lamenta profundamente o passamento de D. Ruth Cardoso, fica aqui o nosso registro de pesar.
Um pouco da sua história

Antropóloga estudou condição feminina e se projetou com Comunidade Solidária

Bruno Miranda/Folha Imagem
Antes de se tornar nacionalmente conhecida como mulher do então presidente Fernando Henrique Cardoso, Ruth Corrêa Leite Cardoso, 77, já tinha uma longa carreira como antropóloga dedicada a estudos de gênero e de aculturação.

Contudo, ela só ganhou projeção nacional no governo FHC por implantar o programa Comunidade Solidária que, de 1995 a 2002, alfabetizou 3 milhões de jovens, capacitou outros 114 mil para o mercado de trabalho e estimulou a organização de mulheres artesãs em cooperativas de produção.
Apesar disso, o programa era criticado até mesmo por aliados do governo, como o senador baiano Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), e pelo ministro das Comunicações, Sérgio Motta, que declarou: "Essa masturbação sociológica me irrita". FHC respondeu secamente: "Ministro não critica governo". Motta silenciou.

Discreta, Ruth criticou várias vezes a imprensa por considerar que tinha sua vida privada invadida com freqüência.

Na área acadêmica, a antropóloga criou na USP o Núcleo de Estudos da Mulher e Relações Sociais de Gênero. Também se destacou por suas duas teses sobre aculturação dos japoneses no Brasil, que ganharam especial repercussão neste ano em razão do centenário da imigração japonesa.

Decidida a estudar filosofia, Ruth mudou-se de Araraquara (SP), sua cidade natal, onde nasceu em 19 de setembro de 1930, para São Paulo aos 19 anos. Na USP, conheceu FHC, um ano mais novo do que ela. Eles se formaram em 1952 e se casaram no ano seguinte. Mas, enquanto FHC se dedicava à carreira acadêmica, ela trabalhou também como assistente na área de recursos humanos da USP e cuidava dos três filhos do casal, o que fez com que sua produção científica progredisse mais lentamente que a dele.

Defendeu seu mestrado em 1970 com o "Papel das Associações Juvenis na Aculturação dos Japoneses", e seu doutorado em 1972, com a tese "Estrutura Familiar e Mobilidade Social: estudo dos japoneses no Estado de São Paulo". Fez pós-doutorado na Universidade Columbia (EUA). Publicou ainda "A Aventura Antropológica".

Seus estudos não tiveram a mesma repercussão que os de FHC, conhecido internacionalmente pela teoria da dependência, mas a levaram a lecionar nas universidades de Berkeley (EUA) e Cambridge (Inglaterra). Quando seu marido foi aposentado compulsoriamente pelo AI-5 em 1968, Ruth permaneceu vinculada à USP, enquanto ele se dedicou a fundar o Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento). Em 1975, ela se tornou coordenadora da pós-graduação de ciência política --área onde atuou até sua morte. Ruth só entrou para o Cebrap depois que FHC deixou o instituto.
Confira a repercussão da morte da ex-primeira-dama:

Governador de São Paulo, José Serra (PSDB) - "A Ruth era uma pessoa muito especial, para sua família, para seus amigos, para nosso país. Um exemplo de dignidade, delicadeza, inteligência e carinho pelas pessoas. É uma dor imensa a que sinto nesse momento. Nossa, como vai fazer falta..."

Governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB) - "Com profundo pesar recebi a notícia do falecimento de dona Ruth Cardoso a quem sempre admirei. Dona Ruth é referência não apenas de um partido ou de um governo. É uma mulher do Brasil. É nessa dimensão maior, histórica e afetiva, que ela deve ser lembrada, reconhecida e respeitada por todos nós."

Ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) - "O Brasil perdeu uma grande mulher, uma de suas melhores reservas morais. Dona Ruth deixa-nos bons exemplos, tanto na vida acadêmica, como antropóloga e professora, quanto na vida pública, onde demonstrou extrema sensibilidade social, ao fundar o Comunidade Solidária no governo do presidente Fernando Henrique, para cuidar das pessoas mais necessitadas do nosso país. Foi uma grande companheira de partido, de posições progressistas, que freqüentemente nos inspirava."

Prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM) - "Dona Ruth significou sempre para todos os que a conheceram um exemplo da mulher contemporânea, capaz de conciliar uma intensa atividade pública como intelectual, pesquisadora e docente a uma vida familiar que era um exemplo de austeridade, retidão e grandeza. Depois de muitas décadas ensinando gerações de estudiosos das ciências sociais no Brasil, como primeira-dama, ela encontrou energia para criar a Comunidade Solidária, um projeto importantíssimo que se enraizou no país e que será uma herança genuína e duradoura ao lado de sua importante obra acadêmica. A seus familiares, expresso a solidariedade de todos os paulistanos neste momento de dor".

Presidente nacional do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP) - "O Partido dos Trabalhadores manifesta seu pesar pelo falecimento da ex-primeira-dama do Brasil dona Ruth Cardoso. Tanto na vida pública quanto na acadêmica, dona Ruth sempre se destacou por seu compromisso democrático, sua independência intelectual e seu espírito de solidariedade, características dos que acreditam na construção de um mundo mais justo e menos desigual."

Presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Carlos Ayres Britto - "Todo o Brasil lamenta a morte da professora Ruth Cardoso, que se notabilizou pelo seu alto saber como antropóloga, pela sua cidadania ativa e como uma pessoa de finíssimo trato", disse o ministro.

Presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo, Vaz de Lima (PSDB) - "Em toda a sua vida, Ruth Cardoso foi um exemplo de seriedade intelectual, moral e política. Produziu uma vasta e fundamental obra para a compreensão da realidade brasileira em suas diversas dimensões. Levou para a vida pública uma inabalável determinação para encontrar e construir caminhos para superar os graves problemas sociais de nosso país."

Senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) - "Recebi profundamente consternado a notícia da partida de dona Ruth Cardoso. Intelectual de renome internacional, dona Ruth idealizou, organizou e implantou o Comunidade Solidária, base de toda a rede de proteção social germinada já no primeiro governo do PSDB. O partido, de quem ela era um esteio moral e intelectual, o Brasil --em especial os menos favorecidos-- devem muito a dona Ruth, que dedicou sua vida ao estudo dos nossos problemas sociais e levou esse conhecimento à prática, ajudando a milhões de brasileiros."

Líder do PSDB na Câmara, deputado José Aníbal (SP) - "A dona Ruth foi a maior ativista do programa de inclusão social do Brasil. Ela mobilizou a sociedade e o governo para a emancipação da nossa gente."

Líder do PSDB no Senado, senador Arthur Virgílio (AM) - "Uma grande amiga, uma grande companheira, fundadora do PSDB, verdadeira consciência crítica da gente. Foi uma mulher extraordinária, de muita fibra e a construtora de todo esse arcabouço de programas sociais que o Brasil desfruta hoje". Segundo ele. Ruth talvez tenha sido "a [primeira-dama] mais ativa politicamente pelo seu passado, a sua militância, por sua cultura, por tudo que representava".

Presidente da Câmara dos Deputados, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) - "A Câmara dos Deputados manifesta profundo pesar pelo falecimento da ex-primeira-dama Ruth Cardoso. Intelectual destacada, dona Ruth ocupou papel de relevo no governo federal, na condução de programas sociais, quando da Presidência de seu marido, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Ao presidente Fernando Henrique e sua família nossas condolências pela perda irreparável."

Governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB) - "Ela era uma mulher absolutamente especial, e é muito duro falar dela neste momento, diante de tanta dor. Ruth era uma mulher corajosa, ativa, atuante e deu enorme contribuição para a antropologia, a sociologia e para a questão feminista no Brasil e no mundo."

Fonte: Folha Online

terça-feira, 24 de junho de 2008

Unasus

Saúde lança Universidade Aberta do SUS

Lançamento foi em 18 e 19 de junho, no Auditório da Organização Panamericana de Saúde (Opas), em Brasília

Melhorar a formação de profissionais do SUS por meio de cursos a distância e em conseqüência melhorar o atendimento aos cidadãos brasileiros. A proposta da Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (Unasus) é qualificar até 2011, metade da mão de obra do SUS, isto significa oferecer especialização em Saúde da Família para mais de 52 mil profissionais e capacitação gerencial para 100 mil trabalhadores de saúde.

O lançamento da proposta do Unasusfoi nos dias 18 e 19 de junho, no Auditório da Organização Panamericana de Saúde (Opas), em Brasília. A abertura,contou com a presença do Ministro da Saúde, José Gomes Temporão; e do Secretário de Educação a Distância do Ministério da Educação (MEC), Carlos Eduardo Bielchowsky; além do representante da Opas, Diego Victoria Mejía.Foram convidados a assistir a apresentação universidades, fundações e agências da área de saúde, secretarias estaduais e municipais de saúde e a sociedade civil.

Após a exibição da proposta pelo Secretário de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde do Ministério da Saúde, Francisco Eduardo de Campos, foi delineada a participação de cada parceiro e construída uma proposta de implementação conjunta. As atividades da Unasus ficarão a cargo das universidades, escolas, secretarias de saúde, associações científicas e outros parceiros, que dividirão entre si as tarefas de elaboração de material didático, supervisão pedagógica e apoio local à aprendizagem.

A princípio, os cursos serão divididos em três áreas: Saúde da Família, Formação Gerencial e Saúde do Idoso. Para suporte dos usuários, os profissionais poderão contar com centenas de pólos da Universidade Aberta do Brasil, coordenada pelo MEC, e de pontos do Programa Nacional de Telessaúde, além de diversas outras instituições habilitadas em sua localidade.

Aqueles que não tiverem acesso a internet não sairão prejudicados. As informações chegarão por rádio, correio, dvds, videolocadoras e outros materiais didáticos.

Fonte: Site do Ministério da Saúde


Dica do Blog da Saúde, leia mais sobre a Unasus nos links abaixo:
  • Agencia Brasil
  • UFMG apoia Unasus
  • Jornal O Globo Online
  • Saúde na rede


    Notícias Saúde na Rede

    A Secretaria Municipal de Gestão Estratégica e Comunicação – Segesc disponibiliza, por meio do site oficial da Prefeitura Municipal de Uberlândia, o link que o leva diretamente às notícias referentes às atividades da Secretaria Municipal de Saúde.

    CONFIRA A MATÉRIA DE HOJE, DIA 24 DE JUNHO:
    Encontro de Angiologia encerra atividades com atendimento a pacientes
    http://www3.uberlandia.mg.gov.br/secretaria.php?id_cg=1377&id=19

    Aids

    Esta luta sim, tem de continuar!

    Após 25 anos, descobridores do HIV lamentam lentidão
    nas pesquisas


    da France Presse, em Paris
    da
    Folha Online

    Centenas de cientistas, entre eles Luc Montagnier e Robert Gallo, descobridores do vírus da Aids, se reuniram na segunda-feira (19) no Instituto Pasteur de Paris, onde acontece um encontro de três dias para discutir os 25 anos do HIV e os esforços da comunidade científica para vencer a doença. No início da reunião, Montagnier e Gallo lamentaram a lentidão no enfrentamento da epidemia.

    Este aniversário não é "uma celebração" nem "uma comemoração", pois "o vírus continua aí", afirmou Montagnier, cujos trabalhos permitiram a identificação do vírus em 1983. "Gostaria de festejar com vocês o fim da Aids, em vez dos 25 anos do descobrimento do vírus", declarou.

    "Não estamos satisfeitos", continuou Montagnier, afirmando esperar que, no médio prazo, seja possível uma vacina terapêutica que restaure o sistema imunológico, que é prejudicado pela doença, "talvez, um dia, uma preventiva".

    O norte-americano Robert Gallo, por sua vez, que confirmou a identificação do vírus em 1984, lamentou que os testes com a vacina não tenham sido feitos em grande escala. 'Houve grandes avanços, mas também grandes erros, e falta ainda muito por fazer', declarou.

    Referindo-se aos efeitos trágicos da doença, Gallo comparou a Aids a um "tsunami mensal, com 200 mil mortos por mês".

    Tanto Gallo como Montagnier destacaram que as tensões e as disputas em torno da paternidade do descobrimento do vírus ficaram para trás. "Somos colegas e amigos", disse o professor norte-americano.

    Entre 1983 e 1984, Montagnier teria sido o primeiro a isolar o vírus HIV e enviado amostras para Gallo. A partir disso, o norte-americano teria descoberto que aquele vírus era o causador da Aids, a doença desconhecida que alarmava o mundo na primeira metade da década de 80. A história, ainda nebulosa, terminou apenas na década seguinte, após um acordo entre os governos dos dois países.

    Interesse

    O diretor da Agência Nacional francesa de Pesquisa sobre a Aids e as Hepatites Virais, Jean-François Delfraissy, alertou sobre a tendência a considerar a Aids como uma doença crônica, "que é um risco de banalização".

    Do mesmo modo, os participantes chamaram a atenção sobre a necessidade de financiamento para a pesquisa. "O dinheiro é sempre um problema, mas hoje é o maior problema", disse Gallo.

    Em outubro do ano passado, Gallo negou, em entrevista à Folha Online, que o Brasil fosse referência no combate à Aids --contrariando a opinião de organismos internacionais como a ONU (Organização das Nações Unidas).

    Ele afirmou que distribuir remédios gratuitamente e oferecer tratamento são uma obrigação do Brasil, assim como de outros países. Ele ainda ironizou, dizendo que o Brasil pode ser modelo "talvez para a África do Sul".

    A diretora do Programa Nacional de DST e Aids, Mariângela Simão, rebateu essas afirmações. Segundo ela, o "fato de países como Alemanha e Inglaterra colocarem dinheiro aqui para que possamos coordenar projetos de cooperação internacional demonstra o reconhecimento do nosso trabalho".

    segunda-feira, 23 de junho de 2008

    Dia do Paciente

    Dia do Paciente tem comemoração na Fundação Hemominas

    Na próxima terça-feira (24), será comemorado o “Dia do Paciente da Fundação Hemominas”. A programação estende-se até o dia 26 em algumas unidades da Fundação. Em Minas Gerais, doenças hereditárias como Anemia Falciforme, Hemofilia, Talassemia, Doença de von Willebrand, Trombastenia de Glanzman são tratadas nos ambulatórios da Hemominas. Essas doenças possuem apresentações clínicas específicas e atingem cerca de seis mil pessoas no Estado, mas ainda são pouco conhecidas pela população.

    A entidade, em consideração às peculiaridades dessas pessoas e observando a necessidade da melhoria das condições gerais de vida das mesmas, instituiu, em 2003, o “Dia do Paciente da Fundação Hemominas”, no dia 24 de junho. Segundo a diretora técnico-científica da Hemominas, Júnia Mourão Cioffi, “o objetivo é que a data se torne um marco anual de divulgação e discussão sobre as coagulopatias e hemoglobinopatias. Com esse ato institucional, a Hemominas deseja dar conhecimento à sociedade da realidade dos seus pacientes”, afirma.

    Para este ano o tema das comemorações juninas dão o tom do “Dia do Paciente” nas unidades da Fundação. Além de comidas típicas, as unidades organizam também apresentação teatral, exibição de filme e palestras.

    Confira no site www.hemominas.mg.gov.br a programação das unidades da Fundação Hemominas.


    Mais informações: Assessoria de Comunicação da Fundação Hemominas –
    (31) 3280-7440/3280-7455.

    Fonte:

    Concurso

    Dois editais saem em julho, com mais de 1.000 vagas

    O Ministério da Saúde publicará em julho dois editais de seleção pública de profissionais. Um deles, o processo seletivo simplificado, contratará, temporariamente, 500 profissionais de nível superior. O segundo edital, de concurso público para cargo efetivo, vai selecionar até 1.000 pessoas com nível médio.

    As duas seleções têm como finalidade repor o quadro de pessoal do Ministério da Saúde devido à aposentadoria de servidores. Além disso, contribuirá para a substituição do quadro de pessoal oriundo da terceirização de mão de obra. O órgão não realiza concursos para cargo efetivo há mais de 25 anos.

    A seleção para o contrato temporário é resultado da Portaria nº 125 de maio de 2008, do ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo, publicada no Diário Oficial da União em 29 de maio deste ano. Para essa seleção, há três faixas salariais: R$ 3.800,00; R$ 6.100,00; e R$ 8.300,00. A seleção será feita por provas e títulos e o contrato terá duração de 3 anos a 5 anos.

    A Secretaria Executiva do ministério está definindo o número de vagas por faixa salarial e por áreas de formação a serem exigidas no edital, e a lotação dos contratados (em Brasília ou outros estados). Há definição, entretanto, para a contratação de profissionais em Administração de Empresas, Contabilidade, Arquivologia, Biblioteconomia, Direito e áreas da Saúde. Haverá, também, vagas destinadas para qualquer formação em nível superior.

    O edital do concurso público para o cargo efetivo de agente administrativo poderá ter até 1.000 vagas (o número exato de vagas será definido no próximo mês) para pessoas com nível médio. O salário é de R$ 1.910,00. A expectativa da Secretaria Executiva é que esses profissionais comecem 2009 trabalhando no Ministério da Saúde.


    Mais informações
    Atendimento ao cidadão
    0800 61 1997 ou 61 3315-2425
    Atendimento à Imprensa
    (61) 3315-2351 ou 3315-3580

    Fonte: Site do Ministério da Saúde

    Cozinha Brasil

    Nutrição é discutida em aulas do Programa Cozinha Brasil
    Programa promove ações de educação alimentar aumentando o nível de saúde e qualidade de vida dos participantes



    A Prefeitura de Uberlândia está com as inscrições abertas até o dia 20, sexta-feira, para o Programa Cozinha Brasil – Alimentação Inteligente que acontece no bairro Shopping Park entre os dias 24 e 27 de junho. As inscrições podem ser feitas das 12h às 17h, na Estação Vida, localizada na rua Horácio Ribeiro de Almeida, 230. Os interessados devem ter idade acima de 16 anos, apresentar carteira de identidade ou CPF e comprovantes de endereço e de renda. Serão oferecidas 120 vagas, em quatro turmas de 30 participantes.

    O objetivo do Cozinha Brasil – voltado principalmente para pessoas de baixa renda, mulheres responsáveis pelas famílias, donas-de-casa, domésticas e trabalhadores em geral – é favorecer a geração e melhoria da renda familiar e promover ações de educação alimentar, para elevar o nível de saúde e qualidade de vida das populações de baixa renda, visando à produção e ingestão de uma alimentação de alto valor nutricional e baixo custo. A orientação para a produção e consumo respeitará as diversidades regionais e culturais, estimulando o aproveitamento dos recursos naturais locais. Todas as aulas serão ministradas por nutricionistas.

    O curso no bairro Jardim Canaã teve início hoje, no Centro de Formação, que fica na rua Lídia, 1.316.

    Fonte:


    sexta-feira, 20 de junho de 2008

    SUS: A proposta avançada

    Recebemos de Maria Moro


    SUS: 'A proposta é extremamente avançada'. Entrevista especial com José da Rocha Carvalheiro
    Para o epidemiologista, o SUS tem muitos avanços, mas ainda precisa rever algumas concepções para que a população não se sinta desassistida.

    Confira a entrevista.

    O SUS é considerado um dos sistemas mais avançados do mundo, por integrar ações individuais, coletivas e de alta complexidade em seu conjunto. Mas está disputando espaço, aqui no Brasil e em outros países, com o setor privado de saúde, o que gera, segundo José da Rocha Carvalheiro uma crise em todos os modelos de saúde do mundo. Carvalheiro conversou com a IHU On-Line por telefone e concedeu a entrevista a seguir, dando continuidade à IHU On-Line que tratou do SUS, falando sobre uma possível reformulação do SUS, sobre as inovações que o sistema de saúde pública do Brasil possui e sobre a missão que este sistema tem no país. Segundo Carvalheiro, o SUS é um “sistema que estabeleceu um processo num nível gerencial de procedimentos de pactuação entre os entes federativos, que são avanços do ponto de vista da concepção de gestão do sistema”. No entanto, ele diz que o SUS não é perfeito, à medida que “tem mazelas com as quais nós não podemos concordar”. Para Carvalheiro, “precisamos lutar para um aprimoramento continuado, a fim de que população não se sinta desassistida”.

    José da Rocha Carvalheiro é médico graduado em 1961 e especialista em Epidemiologia pela Universidade de São Paulo (USP). É doutor em Direito e obteve o título de pós-doutor pela University of London, na Inglaterra, e pela USP, onde também recebeu o título de livre-docência. Atualmente, é membro do conselho de curadores da Fundação Edmundo Juarez, no Rio de Janeiro. É, também, assessor da Organização Mundial da Saúde, membro do Centro Brasileiro de Estudos da Saúde, professor da USP, vice-presidente da Fundação Oswaldo Cruz e membro da Associação Brasileira da Pós-Graduação em Saúde Coletiva (Abrasco). Desde 1976, é membro de comitês do Ministério da Saúde. É autor de O município e a saúde (São Paulo: Hucitec, 1992) e Tendências do Sistema de Saúde Brasileiro (Brasília: IPEA, 2002). Além disso, organizou, junto com o ministro da saúde, José Gomes Temporão, e Paulo Marchiori Buss, o livro Vacinas, soros & imunizações no Brasil (Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2005).

    Confira a entrevista.

    IHU On-Line – Já se discute uma reformulação do SUS, mas alguns pesquisadores dizem que ele ainda não foi implantado efetivamente. Qual é a atual situação desse sistema?

    José da Rocha Carvalheiro – O SUS é um processo, não uma formulação que emanou verticalmente de um poder central. Ele foi um processo longo e demorado de construção, que vem desde o começo do século passado, mas com atividade mais intensa a partir do meio daquele século. É bom não esquecer que na Assembléia de São Francisco, na Califórnia, em 1945, quando se estava formulando a criação da ONU, as delegações brasileira e chinesa propuseram a OMS. Estavam lá alguns dos grandes ícones da saúde pública brasileira. Nós temos uma tradição de intelectuais que construíram a idéia de uma saúde pública no Brasil e que acabou se refletindo, a partir dos anos 1970, na criação do movimento da reforma sanitária brasileira. Isso tudo foi um movimento que iniciou na academia, mas acabou se expressando no processo de democratização do país.

    Então, tivemos algumas ocorrências fortuitas, mas que nos beneficiaram. Por exemplo, já no período de abertura democrática aconteceu a realização da 8ª Conferência Nacional de Saúde, em 1986. Antes disso, aconteceram ações integradas de saúde, que levaram à inserção, no texto constitucional, de uma proposta extremamente avançada, mas ao mesmo tempo incompleta, mostrando que esse precisa ser, de fato, um processo de aprimoramento contínuo. O Sergio Arouca dizia que o SUS é uma proposta civilizatória, pois pretendia discutir reforma sanitária e propor um sistema dessa natureza com seus pressupostos básicos de integralidade e descentralização. Tal proposta é extremamente avançada, apontando para um objetivo que poderá ser alcançado algum dia, porque o processo é caminhar em direção a ele. No entanto, eu diria que ele está em revisão permanentemente, o que não quer dizer que não tenha havido avanços e consolidações dos quais podemos nos orgulhar.

    O controle social é um deles: incompleto, imperfeito, criticável na sua composição. Ou seja, o fato de termos um sistema de controle social é um grande avanço. Há um sistema que estabeleceu um processo num nível gerencial de procedimentos de pactuação entre os entes federativos, que são avanços do ponto de vista da concepção de gestão do sistema. Evidentemente que o sistema não é maravilhoso: ele tem mazelas com as quais não podemos concordar. Precisamos lutar para um aprimoramento continuado para que a população não se sinta desassistida, que é o que acontece. Há uma campanha que é feita pelo setor privado, que cresceu vertiginosamente, contra o SUS, mas, do ponto de vista da sua estruturação e de seus aspectos gerenciais, ele é um sucesso num franco processo de aprimoramento.

    IHU On-Line – Em relação a outros sistemas de saúde, que inovações o SUS traz?

    José da Rocha Carvalheiro – Eu estive na semana passada em Genebra e numa cidade francesa próximo, e no domingo, esperando uma reunião, passeei por essa cidadezinha e encontrei uma feira livre. Havia uma barraca de ervas. Portanto, o sistema de saúde francês, com toda a sua sofisticação, estruturação, ainda dá margem, como aqui nas nossas feiras livres, para que vendedores se apresentem vendendo ervas contra hipertensão, câimbras etc. Fui caminhando e encontrei uma farmácia de homeopatia que tinha dois cartazes: um vermelho dizia “adoeça agora”, e o verde, “amanhã pode ser tarde, a homeopatia é o caminho”. Isso mostra como praticamente no mundo todo, mesmo em países como a Inglaterra, há uma crítica severa ao sistema que serviu de referência da reforma sanitária brasileira quando formulamos o SUS. A verdade é que os modelos estão todos em crise no mundo inteiro. Eu li num jornal um comentário sobre a eleição nos Estados Unidos e a maneira como os candidatos estão omitindo dados a respeito do sistema de saúde, porque é o único dos grandes países do mundo que não tem um sistema universal de sistema de saúde pública e, portanto, é inteiramente dominado pelos planos de saúde e seguros. Este é um risco com o qual nós precisamos conviver, pois há um sistema paralelo que está se fortalecendo no Brasil cada vez mais em relação ao SUS. Há uma crítica de que o SUS é um sistema único e deveria substituir o sistema privado, que é considerado suplementar, está crescendo em alguns lugares e, por isso, está rivalizando em termos de recursos com o SUS.

    IHU On-Line – De que forma o SUS pode fortalecer as entidades de trabalhadores e iniciar aí uma parceria?

    José da Rocha Carvalheiro – Esta é uma das discussões do momento. O Conselho Nacional de Saúde, na atualidade, não é mais presidido pelo Ministro da Saúde. Depois do decreto do presidente Lula, de 2006, que revisou o regimento interno da composição do Conselho e retirou do ministro a presidência obrigatória e automática do Conselho Nacional de Saúde, criando uma mesa originando a eleição de um presidente para a entidade. Assim, o atual presidente é um trabalhador da saúde, o Francisco Junior, que é hoje uma das maiores lideranças da saúde brasileira e é um trabalhador da saúde.

    IHU On-Line – E que evoluções o fato de a entidade ter um presidente trabalhador da área da saúde?

    José da Rocha Carvalheiro – Isso traz uma evolução fantástica, uma perspectiva positiva, mas traz, associado a isso, um risco. A perspectiva positiva é que, na verdade, o executivo deixa de ser o gestor e torna um trabalhador da saúde o condutor do processo de discussão no colegiado que representa o controle social. Portanto, entrega-se de fato o controle social à sociedade. Por outro lado, ao se entregar isto a um trabalhador, o risco é transformar o Conselho Nacional e os Conselhos Estaduais em mesas de negociação de condições de trabalho, níveis salariais. No entanto, há um esforço por parte dos atuais dirigentes do Conselho de evitar que isso aconteça. É uma coisa, aparentemente, contraditória, pois há um grande avanço ao entregar à representação da sociedade o direito de escolher o dirigente máximo do Conselho, que faz o controle social do sistema, o ministro pode ser candidato, ninguém lhe proíbe isto.

    IHU On-Line – O fim da CPMF deu algum impacto no SUS? Qual é a sua opinião sobre o retorno dessa contribuição?

    José da Rocha Carvalheiro – É evidente que sim. Mas nas origens deveria se destinar esta contribuição exclusivamente à saúde e isso não aconteceu, uma parcela sempre foi utilizada para outros fins. O que se diz é que esta CPMF que está sendo proposta não teria esse risco de ser desviada para outras finalidades. Mas há duas questões: será aprovada? E, se for aprovada, nós da saúde teremos força para impedir que o mesmo ocorra?

    Neste momento, os que se interessam por criar esta nova contribuição juram “de pé juntos” que esta contribuição não será desviada. Se for aprovada, o futuro é quem vai dizer se será desviada ou não.

    IHU On-Line – Que missão a saúde pública no Brasil tem?

    José da Rocha Carvalheiro – Ela deixou de ter a missão que lhe era atribuída no começo do século passado e passou a ser responsável apenas pelas ações coletivas. Com a criação do SUS, se fez a integração da assistência médica na rede pública de saúde. Antes desse sistema, as ações coletivas eram feitas com grande externalidade positiva, que dificilmente podem ser comercializadas, como propôs o Banco Mundial, que argumentou, também, que o setor privado deveria se responsabilizar apenas pelas atividades de pequena externalidade positiva, ou seja, eu compro e sou beneficiado e se outra pessoa não compra ela não tem benefício algum. Qual é a grande discussão da atualidade? O SUS incorpora as duas coisas, as ações coletivas de grandes e pequenas externalidades positivas. O risco do crescimento acelerado dos planos e dos seguros de saúde, compondo um sistema paralelo de assistência médica exclusiva, faz com que retornemos a um período anterior ao da Constituição e da lei do SUS, que atribuiu ao sistema essa integralidade. Na atualidade, o SUS responde não apenas pelas ações coletivas, mas também por uma parcela substancial muito grande de ações individuais, em particular as de alta complexidade, que são as mais caras e que o setor privado repassa ao setor público, porque ele não atende transplante, hemodiálise e próteses na quantidade que deveria.

    Fonte:


    Saúde no jornal

    País não sabe quantos laboratórios têm vírus da pólio e se expõe a risco
    Governo inicia segunda tentativa de listar laboratórios que armazenam amostras para incinerá-las e evitar vazamento
    Fabiane Leite



    O Brasil ainda desconhece o número de laboratórios que trabalham com o vírus da poliomielite ou que guardam material que possa estar infectado pelo microrganismo. O poliovírus é causador da paralisia infantil, doença erradicada no Brasil e nas Américas desde 1994 em razão de seguidas campanhas de vacinação. Mas a existência de vírus armazenados traz risco de reintrodução da doença, se não forem tomados os devidos cuidados.

    Em 1999, a Assembléia Mundial de Saúde reiterou o compromisso da Organização Mundial da Saúde (OMS) para erradicar a poliomielite e recomendou a todos os países-membros, entre os quais o Brasil, que empreendessem esforços para a contenção do poliovírus em laboratórios. Plano da OMS finalizado em 2002 estabeleceu que o primeiro passo para evitar que vírus escapassem dos laboratórios era realizar um levantamento de unidades que trabalham pesquisando o microrganismo ou têm amostras guardadas que podem estar contaminadas. É o caso de fezes e água de esgoto coletadas para análises quando ainda havia circulação do vírus - que é transmitido de pessoa para pessoa, pelo contato com secreções ou fezes do doente.

    Depois de localizados os laboratórios que podem abrigar poliovírus, as autoridades de saúde deveriam eliminar as amostras - o que pode ser feito via incineração - ou mantê-las em locais seguros.

    PRECEDENTES

    Toda a preocupação com a eliminação do poliovírus em laboratórios não é à toa. Há histórico de doenças erradicadas que voltaram a atacar depois que vírus escaparam de locais de pesquisa. Após a erradicação da varíola, em 1977, uma pessoa morreu quando o vírus escapou de um laboratório no Reino Unido que não adotou os cuidados necessários. O diretor do laboratório suicidou-se. Em 1992, um funcionário de uma fábrica de vacinas contra a pólio - produzidas com o vírus - levou a doença para casa, infectando o filho.

    O Ministério da Saúde brasileiro ensaiou um levantamento de laboratórios em 2004 por meio de questionários impressos, mas apenas 1,6% dos mais de 17 mil laboratórios existentes naquela época respondeu. Foram localizadas apenas sete unidades que trabalhavam com o vírus ou que poderiam ter material contaminado: Fundação Oswaldo Cruz (RJ), Instituto Evandro Chagas (PA) e os laboratórios centrais de saúde pública de Pernambuco, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Bahia, além do Instituto Adolfo Lutz, de São Paulo.

    “Na época, não houve adesão por falta de boa divulgação. Além disso, como o trabalho não foi bastante esclarecido, unidades ficaram com receio sobre que tipo de material teria de ser descartado”, afirma Eduardo Hage, diretor de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde. “Talvez o fato de poucos terem materiais contaminados explique o desinteresse”, afirma Expedito Luna, diretor de vigilância na época do primeiro questionário.

    O ministério acaba de relançar o levantamento, desta vez por meio de questionário eletrônico, tendo como alvo cerca de 20 mil laboratórios públicos e privados existentes hoje. O órgão promete concluir todo o processo até 2009 - o que inclui a eliminação ou armazenagem dos vírus remanescentes da paralisia infantil em laboratórios de alto nível de biossegurança.

    SOBREVIVÊNCIA

    No caso do Brasil, o vírus da pólio circulou até 1989 e a erradicação foi certificada pela OMS em 1994. Portanto, amostras coletadas até o fim dos anos 80 podem estar contaminadas se adequadamente refrigeradas. A uma temperatura de -70°C, por exemplo, o vírus pode sobreviver de 20 a 30 anos, explica Edson Elias da Silva, chefe do laboratório de enterovírus da Fundação Oswaldo Cruz, referência para a Organização Pan-Americana de Saúde em poliomielite e um dos poucos a responder o questionário em 2004.

    A unidade da Fiocruz tem nível 3 de biossegurança, mais do que o necessário para a contenção do poliovírus, e atualmente armazena centenas de materiais com o microrganismo para pesquisas.

    Para Silva, a falta de adesão ao levantamento dos laboratórios pode ser explicada também pela “falta de noção” de algumas unidades. “Mesmo que eles não trabalhem com o poliovírus diretamente, podem estar abrigando-o sem saber.”

    Fonte:




    Projeto saúde e educação

    Jornalista Cristina da Secretaria Municipal de Gestão Estratégica e Comunicação (Segesc) envia belas fotos do Projeto saúde e educação desenvolvido na Escola Estadual Custódio Pereira, com estudantes de 5ª a 8ª série.
    Nosso Blog da Saúde já havia publicado "post" sobre o projeto enviado pela colega Wilma Nunes,
    confira AQUI
    Agradecemos à Cristina, atenciosa como sempre na arte de bem informar.






    quinta-feira, 19 de junho de 2008

    UBSF Maravilha

    Blog da Saúde registrando o sempre atuante trabalho da UBSF Maravilha em texto e fotos enviados por Wilma Xavier. Quem quer, faz e faz bem feito! Parabéns à equipe

    No dia 04/06/08 a UBSF - Maravilha contou com a presença de Dr. cairo e Dra. Valéria no grupo de gestantes, onde foi ministrado palestra para as gestantes. a importância do pré-natal e após foram entregue as bolsas do programa Mãe Uberlandia que tem como objetivo: a redução do mortalidade infantil, planejamento familiar,assistência ao pré-natal, parto, e cuidados pós natal, amamentação etc...contamos com 48 gestantes devidamente cadastrada.
    Wilma Xavier Fernandes




    Angiologia e Cirurgia Vascular

    Uberlândia sedia o Encontro Mineiro de Angiologia e Cirurgia Vascular

    A Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular – Regional de Minas Gerais (SBACV-MG) escolheu a cidade de Uberlândia para ser a sede do X Encontro Mineiro de Angiologia e Cirurgia Vascular. O evento começa nesta quinta-feira, dia 19, e vai até sábado, dia 21. Nos dois primeiros dias, as atividades estão marcadas para o Center Convention, pela manhã e à tarde; no sábado, o evento termina com uma atividade extra na Unidade de Atendimento Integrado – UAI Martins, das 8h30 às 12h. Na UAI serão atendidos 60 pacientes portadores de úlcera na perna e Pé Diabético (uma das complicações crônicas que atingem os pacientes diabéticos, acometendo os membros inferiores), triados pela Coordenação de Atenção Integrada à Saúde, com a participação de médicos angiologistas, agentes comunitários de saúde e médicos do Programa Saúde da Família.

    O encontro é um dos maiores do País que, nesta edição em Uberlândia, terá participação de dois expoentes internacionais: Jean Pierre Goubin, presidente da Sociedade Francesa de Flebologia; e o doutor Nick Morisson, angiologista americano que tem no currículo mais de 2,5 mil cirurgias realizadas com endolaser.

    Presidente de Uberlândia

    O presidente do encontro é o médico uberlandense Marcondes Figueiredo, doutor em Angiologia. Segundo ele, no que depender do empenho da organização, o evento tem tudo para se constituir no maior e melhor já realizado até hoje em terras mineiras. “Desde que fui indicado para presidir o encontro, no final do ano passado, começamos a planejá-lo, reunindo-nos com a comissão organizadora no mínimo uma vez por semana e sempre mantendo contato com a nossa Sociedade em Belo Horizonte”, ressalta Marcondes. Ele destaca que, além do apoio irrestrito da SBACV-MG, a organização do evento tem o apoio do Serviço de Angiologia e Cirurgia Vascular da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), da Sociedade Médica Uberlândia e da Prefeitura de Uberlândia.

    Tanto a definição da programação científica como a escolha dos palestrantes seguiu critérios rigorosos, como pode ser verificado no site http://www.encontromineiroangiologia.com.br/

    Secretaria Municipal de Gestão Estratégica e Comunicação (Segesc)

    Fonte:


    quarta-feira, 18 de junho de 2008

    Mulheres na pesca

    Mulheres na pesca, sorte na certa
    Por Michelle Portela, de Manaus*

    Agência FAPESP – Na mitologia amazônica, a presença da mulher na pescaria é sinônimo de panema, ou azar no resultado, devido à sua suposta impureza. Partindo desse ponto de vista, pesquisadores da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) investigaram o deslocamento dos papéis de gênero em comunidades de pescadores na região, buscando perceber em que medida o mito é atingido em sua origem.

    Estudo feito por pesquisadores da Ufam em Careiro da Várzea (foto), no interior amazonense, sugere que mulheres superaram o mito da panema e se tornaram maioria entre trabalhadores no setor em comunidades da região

    O estudo “Mulheres pescadoras e a resignificação do mito do panema na Amazônia”, desenvolvido no âmbito do projeto “Modos de vida ribeirinha”, apoiado pela Ufam, aborda o universo das mulheres rurais na Amazônia, principalmente a questão da entrada delas na atividade da pesca na comunidade Lago dos Reis, no município de Careiro da Várzea, a 22 quilômetros de Manaus, interior do Amazonas.

    A antropóloga Iraíldes Caldas Torres analisou as implicações da participação das mulheres nessa nova atividade na comunidade, na qual até recentemente estavam impedidas de atuar por conta do mito do panema, a temida má sorte que pode acometer trabalhadores extrativistas na região, seja caça, pesca ou a atividade seringueira.

    “Na mitologia, basta que a mulher no período da menstruação se aproxime da beira do rio ou toque nos instrumentos de trabalho para ‘empanemar’ os homens. A partir de então, eles não conseguem caçar ou pescar, o que ameaça a sobrevivência local”, disse Iraíldes.

    Na comunidade Lago dos Reis, a pesca se tornou atividade realizada majoritariamente por mulheres. O crescimento do ingresso feminino nesse mercado de trabalho é evidente na cooperativa de pesca de Careiro da Várzea, na qual as pescadoras representam 80% dos trabalhadores cadastrados.

    “As mulheres assumem a pesca como uma atividade de trabalho, não como um passatempo e muito menos como uma atividade meramente passageira. Isso está ligado ao papel que mulheres passaram a desempenhar na Amazônia como chefes de família”, explicou a pesquisadora.

    O trabalho também demonstrou como, ao iniciar uma atividade remunerada, essas mulheres reafirmam a feminilidade, superando as amarras mitológicas. “Elas constroem um universo particular no qual conversam sobre problemas domésticos, ao mesmo tempo em que levam produtos de beleza e cuidam do cabelo e da unha na pescaria. A sociabilidade torna a pesca prazerosa”, afirmou Iraíldes.

    Ao terem maior participação na renda familiar, muitas vezes com ganho superior ao do marido, as pescadoras se sentem à vontade para cobrar um empenho maior dos homens no trabalho doméstico. Entretanto, mesmo com as conquistas, as pescadoras da comunidade Lago dos Reis ainda são discriminadas pela categoria.

    “Elas percebem o preconceito à medida que são excluídas da formação de chapas e da eleição da diretoria da cooperativa de pescadores, além de não terem acesso aos equipamentos de propriedade coletiva”, disse a pesquisadora.

    As pescadoras também não têm direito à carteira de pescador profissional, que garante benefícios como o seguro-defeso, no valor de dois salários mínimos, pago no período em que a atividade é proibida. Além disso, o dinheiro que ganham é geralmente administrado pelos maridos. “Apesar dos avanços, vemos que as mulheres ainda têm muito trabalho para superar o patriarcalismo na Amazônia”, finaliza Iraíldes.

    O universo das mulheres na Amazônia será discutido no 8º Seminário Internacional Fazendo Gênero, no simpósio “Intersecções entre gênero e sociodiversidade na Amazônia”, que será realizado na Universidade de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, de 25 a 28 de agosto.

    * Repórter da Agência Fapeam


    Fonte:




    Dica do Blog da Saúde:
    Saiba mais sobre o "mito de panema", clique AQUI

    terça-feira, 17 de junho de 2008

    Água e Saúde

    Recebemos importante texto de Marília Cunha, com satisfação aqui publicamos para conhecimento de todos.




    Água e Saúde

    Beber água é uma delícia e o nosso corpo sabe disto: afinal, somos 70% água. Este líquido incolor, inodoro e insípido compõe majoritariamente o nosso organismo e produz o ambiente necessário à vida.

    Cuidado corretamente da hidratação do nosso corpo, teremos como resposta resultados altamente benéficos:
  • Cabelo e pele muito mais bonitos e saudáveis;
  • Melhor funcionamento do aparelho digestivo e prevenção de insuficiência renal;
  • Menos predisposição ao câncer de intestino, já que haverá um funcionamento melhor das células desse órgão;
  • Mais facilidade nas dietas, pois a água não soma calorias e dá a impressão de saciedade;
  • Melhoria das funções circulatórias;
  • Ação retardada do envelhecimento, pois as funções celulares melhoram e, conseqüentemente, haverá diminuição dos chamados radicais livres que aceleram o processo.

    São inúmeros os benefícios com a ingestão correta da água. A falta do precioso líquido, ao contrário, pode levar a quadros graves de desidratação, com repercussão negativa em todo o organismo. Por estas e outras é importante ingerir água. A quantidade ideal depende do sexo da pessoa, do seu metabolismo e de suas atividades físicas. Calculam alguns entendidos no assunto que a média ideal é a de 2 litros/dia por pessoa.

    Incorpore a sua rotina o hábito de beber água regularmente. Você, que está sentada aí, trabalhando no seu computador: deixe uma garrafa sempre cheia de água pura e gostosa do seu lado e vá bebendo pequenas e necessárias doses durante todo o dia. Você estará fazendo um grande favor ao seu corpo, pode ter certeza!

    Marília Alves Cunha

  • Vacinação


    SMS divulga balanço parcial da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite
    Crianças de 0 a 4 anos que ainda não foram imunizadas têm até sexta-feira para tomar a vacina


    A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) fechou hoje o balanço parcial de crianças vacinadas na primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, que começou no último sábado, dia 14 de junho. Ao todo, tomaram as duas gotinhas 7.866 crianças menores de um ano; uma cobertura de 93, 69%. Já na faixa de um a quatro anos de idade, foram vacinadas 36.158 crianças, o que corresponde a 91,94% de cobertura.

    De acordo com Maria Aparecida dos Santos, coordenadora da Central de Imunizações, da Secretaria Municipal de Saúde, a campanha segue até sexta-feira, dia 20, com a meta de chegar a uma cobertura de 95%. “O resultado que obtivemos no sábado foi bastante positivo e, por isso, esperamos atingir esta meta, vacinando 45.300 mil crianças”, afirma.

    Com o lema “Tem que vacinar, não pode bobear”, a primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite conta em Uberlândia com postos de vacinação em todas as Unidades Básicas de Saúde (UAIs, UBSFs e PSFs), além de postos de vacinação na zona rural.

    A vacina oral é administrada nas crianças com idade de 0 a 4 anos, independente de ter tomado qualquer outra vacina anteriormente. A vacina é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como a única maneira de erradicar a doença em todo o mundo. Na ocasião, os pais ou responsáveis podem colocar em dia os cartões com as vacinas do calendário oficial de vacinação da criança (Hepatite B, Rotavírus,Tetravalente, Febre Amarela e Triviral).

    A segunda etapa da Campanha será realizada no dia 9 de agosto.

    Fonte:

    DCRAA

    Oficina atualiza conhecimentos e promove melhorias na Secretaria Municipal de Saúde


    Servidores da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) participaram da Oficina da Diretoria de Controle, Regulação, Avaliação e Auditoria (DCRAA) – nos dias 11 e 12 de junho – com o objetivo de atualizar os conhecimentos da área, além de promover a revisão e melhoria dos trabalhos com a participação de toda SMS. A oficina é uma atividade prevista no Plano Diretor de Atenção Primária (PDAP) e Agenda de Compromissos do setor saúde.

    Os coordenadores apresentaram a situação atual de suas áreas de atuação e discutiram as necessidades e proposições para alcançar melhorias no atendimento à população que necessita dos diferentes serviços vinculados e supervisionados pela DCRAA. Assim, foram sistematizados e discutidos o funcionamento e melhorias: da Diretoria como um todo; da Atenção Primária e média complexidade; da Central Municipal de Regulação de Urgência e Emergência; da alta complexidade; da Supervisão Assistencial aos diferentes serviços de saúde da rede pública, conveniada e contratada; do processamento e faturamento, incluindo o Cartão de Saúde SUS, e da Auditoria.

    Foram constatados os avanços organizativos, bem como discutidas melhorias para o adequado atendimento às necessidades dos usuários que precisam dos serviços vinculados à Diretoria e SMS.

    Os treinamentos foram ministrados pela diretora e coordenadores de área: Diretora, médica Sílvia Lúcia Alvim Queiroz; Coordenação de Atenção Primária e Média Complexidade, assistente social Dalila Alves Alencar; coordenação da Central Municipal de Regulação de Urgência/Emergência, médica Sabina da Silva J.D. Povoa; Coordenação da Alta Complexidade, administradora Soraya Calixto Finholdt; coordenação de Supervisão Assistencial, médico João Natal da Silva; coordenação de Processamento e Faturamento, engenheiro João de Abreu Júnior; e complementando a área de informática, o responsável pelo projeto Cartão de Saúde SUS, o médico Edmilson Belo Pereira; coordenação de Auditoria, a assistente social Rita Ana da Silva Lima.

    Fonte: Secretaria Municipal de Gestão Estratégica e Comunicação (Segesc)

    segunda-feira, 16 de junho de 2008

    Projeto Ver

    Projeto Ver beneficia estudantes do Município
    Foram realizadas mais de 50 consultas oftalmológicas em estudantes da rede municipal de ensino





    O Centro de Atenção à Saúde Escolar, por meio do Ambulatório Municipal de Oftalmologia, realizou mais de 50 consultas para estudantes da Escola Municipal Cecy Cardoso Porfírio, no sábado, dia 14, em Uberlândia. A ação faz parte do “Projeto Ver, Enxergando o Futuro”, uma parceria da iniciativa privada, que conta com o apoio da Secretaria Municipal de Saúde. A próxima etapa do projeto – que prevê, no total, a realização de 156 consultas e pelo menos 130 doações – será com estudantes da zona rural, em data ainda ser definida.

    As empresas Tecnol e CT Collection doarão as armações, a Varilux as lentes e a Lynx Óptica, de Uberlândia, realizadora do projeto, será a responsável pela montagem e ajustes dos óculos. Na etapa do último sábado, as consultas foram realizadas durante todo o dia, com a participação do coordenador do Ambulatório, Genes Silvestre. Os estudantes faziam a consulta e, sendo diagnosticada a necessidade do uso de óculos, eram encaminhados à equipe da Lynx. A solenidade de entrega dos óculos será realizada em julho.

    “Este projeto pretende conscientizar a população sobre a importância dos cuidados com a visão. Com a colaboração de parceiros, o projeto oferece, gratuitamente, óculos para crianças e jovens de baixa renda, pois sabemos que a dificuldade de enxergar prejudica o rendimento escolar de muitos estudantes”, explica o coordenador do Ambulatório, Genes Silvestre. “Problemas da visão podem começar muito cedo, portanto, devem ser detectados e tratados adequadamente o quanto antes, pois podem trazer graves conseqüências na fase adulta”, completa.

    Segundo Cláudia Gonçalves, proprietária da Lynx, “a preocupação da empresa com a qualidade da educação das crianças, já existe há muito tempo. Por isso, decidimos colaborar no ramo em que trabalhamos e oferecer juntamente com os outros parceiros do projeto, gratuitamente, os óculos para um público que tanto necessita”, disse.

    Fonte:

    Simpósio Internacional

    1º Simpósio Internacional de Violência e Saúde Mental

    Agencia FAPESP - Um dos destaques do 1º Simpósio Internacional de Violência e Saúde Mental, que ocorrerá de 20 e 22 de junho, na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em São Paulo, será a apresentação de um estudo que mapeou a violência em capitais brasileiras para dimensionar seu impacto no âmbito psíquico da população.

    Com promoção do Centro Paulista de Psiquiatria e do Instituto do Milênio Saúde Mental e Violência, o evento terá a participação de profissionais do Brasil e do exterior. A proposta é abordar assuntos como violência social, diagnóstico de estresse pós-traumático e tratamentos disponíveis para aliviar o sofrimento das vítimas.

    Serão discutidos ainda os resultados de estudos sobre a prevalência de violência doméstica e de transtornos mentais entre crianças e mulheres de áreas periféricas das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Santos e Fortaleza.


    Mais informações: www.detaileventos.com.br/simposiointernacional



    Sexualidade

    Recebemos de Denise Andrade o texto que se segue. Belo trabalho parabéns.


    Aconteceu dia 12 de junho 2008, na ESCOLA ESTADUAL DONA ALEXANDRA PEDREIRA, a primeira oficina do PROJETO REPRODUÇÃO HUMANA, que contará com 5 oficinas:
    12/06: puberdade e auto estima.


    4ª SÉRIES PROFESSORAS LEIDIMAR E MARIA ABADIA
    AGENTES DE SAÚDE DO CASE DENISE ANDRADE E SUELI COSTA

    "Para diminuir a ansiedade e a curiosidade é necessário conhecer e refletir sobre o momento em que cada indivíduo vai entrar na puberdade, e promover discussão sobre as relações de gênero, tabus e mitos que envolvem a vivencia de sua sexualidade.
    A adolescência segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) compreende o período dos 10 aos 19 anos; já para o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) brasileiro, vai dos 12 aos 18 anos. Porém a adolescência tem chegado cada vez mais cedo, devido a erotização precoce a que são expostas.

    A puberdade corresponde às modificações biológicas relacionadas ao crescimento físico e a maturação sexual, com o surgimento dos pêlos nas axilas e na região genital, espinhas, aumento da massa corporal e da velocidade de crescimento, cujo ápice é o estirão. Ocorre aumento do volume testicular e alteração no timbre da voz nos meninos. Nas meninas há um aumento do volume das glândulas mamárias e o principal fenômeno, que é a menstruação.

    Auto estima pelo corpo que tem, somos todos diferentes e únicos, cada um tem a beleza que própria. A beleza envolve as características físicas, mas também o jeito de ser de cada um e o sentimento que temos pela pessoa.
    Realizamos a dinâmica descoberta do corpo (desconheço o autor).
    Recorta-se em papel sulfite o contorno de um corpo e pede aos alunos que façam o auto retrato e coloquem o nome. Dobra as pernas em cima do tronco , dobre os braços por cima das perna e a cabeça por cima dos braços.
    Todos ao mesmo tempo jogam na água, cada um abrirá em um momento.

    Discussão:
    Um ser humano não é igual ao outro.
    É normal que aconteçam em momentos diferentes para cada pessoa.
    Apesar de sermos diferentes em características, somos seres humanos e somos seres sociais.

    Próximos encontros:
    Dia 19/06 os professores ministrarão as aulas sobre aparelho reprodutor
    Dia 26/06 Agente de saúde: reprodução ( maternidade e paternidade precoce) e métodos contraceptivos
    Dia03/07 agente de saúde DST/AIDS
    Fechamento reunião com os pais