Secretaria Municipal de Saúde






Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.

Artigo Artigo XXV da Declaração Universal de Direitos Humanos



Saúde, Ciência, Pesquisa, Arte, Cultura, nossa gente da SMS, e o que mais possa interessar.



Organizado por William H Stutz

Veterinário Sanitarista

whstutz@gmail.com



Este Blog é independente, sem vínculo oficial com instituição alguma.
Todos
estão convidados a contribuir com informações de interesse coletivo.





quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Liminar negada

Justiça nega liminar contra selo de segurança em medicamentos

Paula Laboissière
Repórter da Agência Brasil


Brasília – A 9ª Vara da Seção Judiciária do Distrito Federal negou uma liminar contra a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que obriga o uso de selos de segurança em embalagens de medicamentos.

A ação foi impetrada pelo Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo (Sindusfarma), pela Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma) e pela Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Nacionais (Alanac), que alegaram vícios de origem.

Pelo menos mais duas entidades do setor farmacêutico já haviam se manifestado contrárias à criação do selo de autenticidade para medicamentos. A Associação Brasileira da Indústria de Medicamentos Isentos de Prescrição (Abimip) e a Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (Pró-Genéricos) classificam a medida como equivocada e estimam que, se for mantida, deverá provocar um aumento médio de 2,58% nos preços ao consumidor. Para os genéricos, a alta pode variar de 6,3% a 23,1%.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Caramujo Africano



Lixo e entulho podem atrair Caramujo Africano

O entulho e lixo jogado nos quintais não atraem apenas o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. Nesta época de chuva, pode ser o esconderijo de um outro animal: o Caramujo Africano, que pode colocar até 1000 ovos em um ano. “O Caramujo é uma praga no Brasil e é encontrado em quase todos os estados. Chegou aqui na década de 1980, para ser comercializado como escargot, mas em pouco tempo se descobriu que o sabor não agradava os paladares e por isso, foram soltos. Como no nosso país não há um predador natural, a proliferação é muito rápida”, explicou Juliana Junqueira, coordenadora do Programa de Agravos e Roedores do CCZ.

Mapa da dengue

Ministério da Saúde divulga novo mapa de risco da dengue no Brasil

Recebemos de Maria Moro via Ministério da Saúde



Dezesseis Estados apresentam risco muito alto de enfrentar epidemia. Ministério fará o acompanhamento sistemático da implantação dos planos de contingência nesses Estados, para garantir atendimento de qualidade em tempo adequado

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, divulgou hoje, ontem, (11), o novo mapa de risco para a dengue no Brasil. Com a atualização do Levantamento do Índice Rápido de Infestação por Aedes aegyti (LIRAa), passam de dez para 16 os Estados com risco muito alto de epidemia e cinco com risco considerado alto.

“Queremos, no dia de hoje, reforçar duas coisas: a atuação intersetorial e a integração entre atenção à saúde e vigilância em saúde. Queremos estimular os estados e municípios a ampliarem suas parcerias no combate à dengue. O Governo Federal, os estados, os municípios e as pessoas: todos podem fazer mais no combate à dengue”, disse o ministro Alexandre Padilha.

Acre, Amazonas, Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Tocantins, Mato Grosso, Espírito Santo e Rio de Janeiro são os estados com alto risco de enfrentar epidemia de dengue neste começo de ano. Roraima, Amapá, Goiás, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul estão com risco alto para a dengue e também precisam reforçar as ações de prevenção e combate à doença.

O ministro também determinou que o Ministério da Saúde faça o acompanhamento sistemático da implantação dos planos de contingência para enfrentar epidemias de dengue nestes 16 Estados que apresentam maior risco. O monitoramento será feito em parceria com as Secretarias Estaduais de Saúde e vai integrar as ações de vigilância, assistência e mobilização em saúde.

O novo mapa da doença foi traçado com base no Risco Dengue, ferramenta lançada pelo Ministério da Saúde em setembro de 2010 que leva em consideração seis critérios básicos, dos quais quatro são do setor Saúde – Incidência atual de casos; incidência de casos nos anos anteriores, índices de infestação pelo Aedes aegypti e sorotipos em circulação. O quinto critério é ambiental – cobertura de abastecimento de água e coleta de lixo; e o último é demográfico – densidade populacional.

A mudança no mapeamento se deve aos novos dados do LIRAa e ao monitoramento do número de casos de dengue no início de 2011. Atualmente, de acordo com as Secretarias Estaduais de Saúde, cinco Estados apresentam aumento no número de casos da doença: Amazonas, Acre, Mato Grosso, Goiás e Espírito Santo.

Ações integradas - Pela manhã, Padilha e representantes de outros 12 ministérios e órgãos do governo federal se reuniram com a presidenta Dilma Rousseff para articular a formulação de ações integradas capazes de prevenir e controlar a doença, bem como garantir atendimento de qualidade, em tempo adequado, para a população acometida pela dengue.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Álcool e violência

Álcool está associado a 30% dos casos de violência doméstica e sexual contra mulheres

Residência foi o local da agressão em 62% dos casos e 40% das vítimas já tinham sido agredidas antes

Dados inéditos do Ministério da Saúde mostram que a suspeita de ingestão de bebida alcoólica por parte do provável agressor foi relatada por 30,3% das mulheres vítimas de violências doméstica, sexuais e outras violências, durante todo o ano de 2008. Em 62,7% dos casos de violência contra mulheres, a agressão ocorreu em residência e 39,7% delas afirmaram já terem sido agredidas anteriormente.

Do total de 8.766 vítimas atendidas em unidades de referência, 6.236 foram do sexo feminino (71,1%), incluindo crianças, adolescentes e pessoas idosas. Mulheres casadas ou que viviam em união estável representaram 25,6% das vítimas, enquanto que as solteiras responderam por 38,7% dos registros.

Os dados são do Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (VIVA), estudo realizado em serviços de referência para atendimento de vítimas de violência doméstica, sexual e outras violências, em 18 municípios de 14 estados. Entre as vítimas do sexo feminino, os casos se concentraram em adolescentes e jovens na faixa dos 10 aos 19 anos (28,8%), crianças de 0 a 9 anos (21%) e mulheres dos 20 aos 29 (19,9%) e dos 30 aos 39 anos (13,9%). As menores concentrações foram identificadas nas faixas etárias de 40 a 49 (7,8%), 60 anos ou mais (4,3%) e de 50 a 59 (3,5%).

“O estudo permite ao Ministério da Saúde, aos estados e aos municípios traçar o perfil das vítimas e dos autores das agressões, para subsidiar ações de enfrentamento a esses problemas, por meio de políticas públicas de prevenção e de promoção da saúde e da cultura de paz”, avalia Marta Silva, coordenadora da área técnica de Vigilância e Prevenção de Violências e Acidentes do Ministério da Saúde.

IPhone e gravidez

Software para iPhone auxilia mulheres a planejar ou evitar gravidez
Usuária recebe alerta quando está em sua janela fértil, quando gravidez é improvável e quando está suscetível a ficar menstruada


Pesquisadores do Instituto para Saúde Reprodutiva do Centro Médico da Universidade Georgetown desenvolveram o primeiro software para ajudar mulheres a planejar ou evitar a gravidez.

O aplicativo, chamado iCycleBeads, está disponível através do iPhone, do iPod Touch ou iPad.

Para usar o aplicativo, uma mulher insere a data de início do seu período mais recente e os dados históricos sobre seus ciclos menstruais. Ao toque de um botão, o iCycleBeads mostra o ciclo de fertilidade e quando a gravidez é mais ou menos provável.

Gestão da fertilidade

"Pensamos que o iCycleBeads vai atender a qualquer mulher que está interessada em gerir de forma eficaz e fácil sua fertilidade, utilizando um dispositivo móvel compatível digital", afirma Victoria Jennings, diretora do Instituto de Saúde Reprodutiva e professora de obstetrícia e ginecologia.

O aplicativo possui uma sequência de 32 diferentes cores das contas. A exibição do calendário também está disponível. Um cordão vermelho ou caixa representa o primeiro dia do ciclo de uma mulher, marrom é para o dia quando a gravidez é improvável e branco é usado nos dias em que a gravidez é mais possível.

A usuária recebe alertas para quando está em sua janela fértil, dias quando a gravidez é improvável e quando ela é suscetível de ficar menstruada. Um alerta também incita a mulher a inserir os dados de seu ciclo.

Fonte: Isaude.net

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Gravidez e sal

Grávida que come muito sal pode ter filho com pressão alta

Estudo da USP diz que baixo consumo do produto também é negativo para o bebê.

Uma pesquisa feita na Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) aponta os riscos de comer quantidades erradas de sal durante a gestação. Uma dieta com elevado consumo de sal durante a gestação poderá gerar indivíduos que, na idade adulta, terão hipertensão arterial. Por outro lado, se o consumo de sal durante a gravidez for baixo, o problema pode ser o desenvolvimento de resistência à insulina.

Esses são alguns dos resultados obtidos em estudos feitos com ratos pela equipe do professor Joel Claudio Heimann, livre-docente da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). As informações são da Agência Fapesp.

Heimann diz que os resultados não significam necessariamente o aumento da mortalidade dos ratos na idade adulta. E também que é preciso estudar mais o assunto em humanos.

Mesmo assim, o trabalho vem produzindo dados importantes sobre o papel do sal durante o período gestacional. Por exemplo, a dieta hipossódica, com restrição de sal, levou à formação de animais que, na idade adulta, apresentaram excesso de colesterol (hipercolesterolemia).

Esses mesmos animais também apresentaram maior resistência à insulina, diz o professor.

– Isso significa que eles precisam de mais insulina para manter os níveis normais de açúcar no sangue.

Outro efeito curioso observado é que as fêmeas (mas não os machos) das proles de mães que consumiram dieta com pouco sal durante a gestação e amamentação desenvolveram obesidade na idade adulta.

O professor explica que os motivos que levam à obesidade podem ser a maior ingestão de alimentos com conteúdo calórico elevado, o menor gasto energético causado pelo sedentarismo ou problemas de metabolismo (como o hipotiroidismo). Ou um conjunto desses fatores.

– No nosso estudo, o primeiro fator foi excluído. As fêmeas obesas não ingeriram mais ração do que o grupo controle [prole de mães alimentadas com ração com conteúdo normal de sal durante o período perinatal]. Em conclusão, restou a hipótese do menor gasto energético.


Fonte: portaldoconsumidor.gov.br

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Deu no O Tempo

"O jornalista do Jornal "O Tempo" de Belo Horizonte destacou Uberlândia em sua coluna desta sexta (7)." Por twitter.com/prefeituraudi

Clique na imagem para ampliar

Exportando

Modelo do Hospital e Maternidade Municipal Dr. Odelmo Leão Carneiro pode ser implantado na Europa


Na tarde desta quarta-feira (5) representantes de uma empresa de engenharia de Portugal, estiveram em Uberlândia para conhecer as instalações do Hospital e Maternidade Municipal Dr. Odelmo Leão Carneiro. Durante a visita, os profissionais foram acompanhados por servidores da Secretaria Municipal de Saúde e funcionários da Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM).

“Soubemos do projeto do hospital e viemos conhecer a tecnologia utilizada, e a experiência. A intenção é levar o modelo para unidades hospitalares da Europa, principalmente no que se diz respeito à parte ecológica, como água de reuso e utilização de energias limpas”, disse o engenheiro da Consulgal Engenharia Portugal, Abelardo Garcia.

Fonte e veja fotos no Portal da PMU AQUI

Convite

Clique para ampliar

Saúde na web?

86% dos brasileiros com internet buscam aconselhamento sobre saúde
Ainda, segudo a pesquisa, apenas uma em cada quatro pessoas verifica a credibilidade das informações


Uma pesquisa divulgada nessa terça-feira constatou que 86% dos brasileiros com acesso à internet utilizam a rede para buscar orientações sobre saúde, remédios e suas condições médicas. Os dados da pesquisa revelam que 68% dos brasileiros buscam online informações sobre medicamentos, 45% procuram se informar sobre hospitais e 41% querem conhecer na internet experiências de outros pacientes com determinado problema de saúde. No entanto, somente um quarto das pessoas verifica as fontes das informações de saúde disponíveis na internet.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Anvisa e tabaco

Atenta, amiga Maria Moro nos abastece com ações importantes do Ministério da Saúde

Anvisa propõe que derivados do tabaco sejam vendidos apenas em locais especializados


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) abriu uma consulta pública para propor que cigarros e outros derivados do tabaco só sejam vendidos em locais específicos, como tabacarias. O documento debate a exposição de cigarros em padarias, supermercados e bancas de jornal e propõe que esses locais sejam proibidos de expor embalagens de cigarros, charutos e cigarrilhas.

A divulgação de publicidade em painéis será permitida, desde que fique na parte interna dos estabelecimentos e deverá trazer advertências sobre os riscos dos produtos. Apenas as tabacarias poderão ficar livres dessas regras, caso a proposta seja aprovada.

O diretor da Anvisa, José Agenor Álvares, explica que a iniciativa visa proteger, principalmente, os jovens. "As indústrias estão utilizando de estratégias de marketing exatamente para chegar nos jovens, crianças e adolescentes. Então, nós resolvemos fazer essa resolução no sentido de mostrar de maneira mais clara para esse nível da população os malefícios do cigarro".

José Agenor Álvares acrescenta que a consulta pública propõe também mudanças nas embalagens de cigarros. O espaço para exposição da marca do produto deve diminuir. Ele lembra, ainda, que qualquer pessoa pode participar da consulta pública mandando críticas e sugestões.
Basta entrar no site da Anvisa pelo endereço eletrônico: www.anvisa.gov.br

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Terminologia

Mais uma enviada por Maria Moro

Terminologia: projeto une idioma e saúde
Produtos e serviços do projeto ajudam a entender a diversidade da linguagem da saúde

Os novos servidores do Ministério da Saúde podem recorrer aos produtos e serviços do Projeto de Terminologia da Saúde, para conhecer um número significativo e diverso de siglas e termos relacionados à área.

Por meio do Siglário Eletrônico, é possível acessar mais de duas mil siglas encontradas em documentos e publicações do MS. As consultas estão disponíveis em quatro modos de pesquisa: busca simples, busca avançada, índice de siglas e índice de palavras.

Quanto aos glossários temáticos, um dos principais produtos do projeto, com mais de 1,2 mil termos técnicos, a proposta é facilitar a comunicação, a partir da padronização e divulgação de expressões comumente empregadas em uma área da saúde e da criação de um vocabulário institucional.

Um dos passos iniciais para produzir um glossário é a composição de um comitê, formado pela área técnica interessada e especialistas em linguística do Ministério da Saúde. A partir disso, passa-se para o levantamento de termos e elaboração de definições.

Até que se chegue a um acordo sobre os significados dos verbetes, são necessárias reuniões e consultas a fontes de informação como livros, periódicos, legislações e outros documentos produzidos pelo MS. Só nos casos em que não há ocorrências nessa literatura, recorre-se a publicações externas.

De 2004 a 2009, oito glossários foram publicados. O Glossário Temático: Banco de Preços em Saúde, elaborado em parceria com o Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento, será o primeiro da série a ser publicado com novo projeto gráfico e deve ser impresso no início de 2011.

O Projeto de Terminologia da Saúde é desenvolvido na Biblioteca Virtual em Saúde do MS. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone (61) 3315-2537 ou e-mail: terminologia@saude.gov.br.

Almoço do ministro

Recebemos da amiga Maria Moro, lá de Brasília


Ministro da Saúde almoça entre servidores
Padilha fez sua primeira refeição no restaurante do Ministério


O primeiro almoço do Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, após a transmissão do cargo, foi no restaurante do anexo do Ministério da Saúde. “É uma maneira de valorizar os servidores. Quero que eles saibam que são nossos parceiros”, justificou o ministro. No cardápio, bife acebolado, rabada com agrião, frango assado com ervas, além de salada e guarnições como polenta.

“É verdade que irei procurar se tem criadouro de Aedes aegypti e Aedes albopictus aqui dentro do ministério, não se assustem se eu bater na porta de alguma sala”, brincou Padilha, se referindo ao discurso de ontem (3), quando disse que será uma pessoa ativa no esforço da mobilização e da vigilância.

Pouco antes de sentar-se para almoçar, o ministro cumprimentou as servidoras da Sesai, Rizoneide Candido da Silva e Milca Luso. “Ele nos reconheceu, trabalhamos juntos na Funasa, onde Padilha foi diretor Nacional de Saúde Indígena”, explicou Rizoneide.

De acordo com a nutricionista Patrícia Reis, o menu do restaurante é preparado com uma semana de antecedência e leva em conta pesquisa de opinião dos frequentadores. O cardápio está sempre disponível na intranet em Quadro de Avisos. Ao todo, trabalham 30 funcionários no restaurante do ministério, que fica aberto para o almoço entre 11h30 e 14h30.

Primeira paciente

Paulo Churrasquim/Araipedez Luz | Secom PMU

Hospital e Maternidade Dr. Odelmo Leão Carneiro recebe sua primeira paciente

Pouco depois das 14h desta segunda-feira (3) o Hospital e Maternidade Municipal Dr. Odelmo Leão Carneiro recebeu o primeiro paciente. A dona de casa, Palmira Florinda dos Santos, de 96 anos chegou ao hospital encaminhada pela Unidade de Atendimento Integrado (UAI) São Jorge e acompanhada pela filha Maria Aparecida Santos Corrêa. “Acho que a transferência vai ajudar muito no tratamento da minha mãe. Ela já havia sido muito bem atendida na UAI e fico muito orgulhosa dela ser a primeira paciente. O hospital tem muita estrutura e a população vai ser muito bem atendida. Nosso prefeito Odelmo está de parabéns”, afirmou Maria Aparecida.

Assim que chegou ao hospital a paciente passou por uma nova avaliação. Depois foi encaminhada ao quarto onde será acompanhada pela equipe médica. “Ela chegou lúcida e consciente e vai ser muito bem tratada por todos os funcionários deste que é o melhor hospital público do Brasil”, disse o prefeito Odelmo Leão.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Dose certa

Uso correto de maquiagem não enruga nem envelhece a pele

Base, blush, rímel e sombra são itens indispensáveis nas nécessaires femininas para alcançar um visual caprichado, bonito e elegante. De acordo com o dermatologista Luiz Carlos Cucé do Hospital das Clínicas da FMUSP, ligado à Secretaria de Estado da Saúde, não há problemas em utilizar esses produtos no dia a dia, desde que alguns cuidados básicos sejam tomados. “Para obter o efeito desejado, sem estragar a pele, é fundamental que a maquiagem seja aplicada junto com protetor solar e hidratante facial”, destaca.

O especialista afirma que a falta de hidratante é que resseca a cútis. “O cosmético puxa água da primeira camada que está em contato, daí a necessidade dos cremes”, alerta. Segundo ele, o ideal é aplicar o protetor solar de duas em duas horas. “Mas, se a mulher utilizar três vezes ao dia, já consegue um bom resultado, principalmente no horário das 12 às 14 horas, que é o pico da incidência de raios UVA e UVB”, aponta.

Para as mais “esquecidinhas”, a novidade são os produtos que contêm o fator de proteção já na fórmula. “Eles não têm a mesma eficácia que o creme separado, mas já ajudam bastante nos cuidados com a pele”, analisa o médico, lembrando que, nesse caso, é importante sempre retocar o make.

Outro cuidado indispensável para não estragar a pele é a limpeza facial diária, principalmente, depois do uso de cosméticos. “É estritamente proibido dormir de maquiagem, pois é nesse momento que a pele respira e se renova. Com o rosto pintado a pele fica oleosa, com cravos e cistos”.

O uso de produtos de boa qualidade, para não causar irritações ou alergias, é mais uma dica importante. “Esses problemas nunca aparecem no primeiro contato com a pele, mas sim com o uso continuo. Têm pessoas que levam anos para manifestar algum tipo de reação”, esclarece Luiz Carlos Cucé, informando que os melhores cosméticos são os hipoalergênicos, que têm menos (ou nenhuma) concentração de euzinato de sódio, o principal responsável pelas coceiras e problemas dermatológicos. Atenta a todas as dicas, a mulher poderá ficar tranqüila na frente do espelho não só numa noite de festa, mas por muitos anos de sua vida.

Fonte: SES São Paulo www.saude.sp.gov.br

Animais Peçonhentos 2010



Para conhecimento de todos apresentamos o relatório quantitativo de atividades do Laboratório de Animais Peçonhentos e Quirópteros 2010.

Ressaltamos que as atividades de pesquisa aplicada em campo, recebimento de escorpiões de outros municípios, envios para a FUNED, identificação e ações de monitoramento de nossos animais, mapeamento de distribuição, pesquisas de comportamento de quirópteros e escorpiões com vistas ao seu manejo e controle, não constam no quadro abaixo que está restrito às ações passíveis de serem mesuradas numericamente

Clique no quadro abaixo para ampliar



Veja também no
Portal de nossa Prefeitura

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Roça calórica


Famílias da zona rural têm a dieta mais calórica do Brasil

O morador da zona rural brasileira tem a dieta mais gorda do Brasil. Em média o morador do campo consome aproximadamente 500 calorias a mais de quem mora na área urbana. O número faz parte do estudo de avaliação nutricional da disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A explicação provável está na maior frequência de consumo de alimentos fora de casa e, possivelmente, também, nas necessidades energéticas maiores no meio rural.

As diferenças nos hábitos alimentares dentro de casa foram exemplificadas na pesquisa. No meio urbano o pão, o biscoitos e o macarrão são mais relevantes, enquanto no meio rural o arroz, farinha de trigo e outros cereais têm papel mais representativo.

O consumo de bebidas na área urbana é 43% maior do que na região rural. O consumo de frutas também é mais relevante na dieta urbana, entretanto o grupo de cereais, leguminosas e carnes têm maior valor na mesa do homem do campo.

A pesquisa apontou ainda que o consumo de gorduras é maior nos centros urbanos, principalmente as saturadas. Enquanto no meio rural 63,8% das calorias decorrem de carboidratos e apenas 24,8% de gorduras, no meio urbano 58% das calorias provêm de carboidratos e 29,7% das gorduras.


Fonte: www.portaldoconsumidor.gov.br

Com moderação


Estudo diz que um copo de cerveja por dia faz bem à saúde

Um estudo da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) revelou que um copo de cerveja por dia faz bem à saúde.

De acordo com a pesquisa, a bebida ajuda no combate à anemia e na prevenção de doenças cardiovasculares.

As conclusões são de Helena Godói, professora de farmácia da universidade. De acordo com ela, o componente encontrado na cerveja traria a longevidade. Helena afirma que o malte e outros ingredientes adicionados no preparado também do chope ajudam a retardar o envelhecimento.

Outras bebidas, como o suco luz do sol, à base de legumes, também trazem benefícios à saúde. O suco, muito apreciado entre os famosos, ajuda a emagrecer, a reduzir a taxa de açúcar no sangue e, a amenizar o mau hálito. Na lista dos ingredientes no preparo da bebida estão couve, maçã, cenoura, hortelã e alface. Uns fazem cara feia para o sabor da bebida, já outros já a aprovam e adoram. (Fonte: Portal R7)


Fonte: http://www.portaldoconsumidor.gov.br

Anvisa avisa

Anvisa proíbe venda de produto conhecido como emagrecedor natural Imprimir E-mail
Notícias - Principais
Ter, 21 de Dezembro de 2010 00:00

Anvisa proibiu a venda, importação, fabricação ou manipulação da Caralluma fimbriata, substância que vinha sendo divulgada como emagrecedor natural.

A Anvisa alerta que, até o momento, nenhum produto à base de Caralluma é regularizado e que não há comprovação de sua segurança e eficácia. A agência recomenda que as pessoas suspendam imediatamente o consumo do produto.

O alerta à população sobre os riscos de se consumir produtos de origem e efeitos desconhecidos será intensificado.

Resolução da Anvisa autoriza, ainda, que equipes de vigilância sanitária dos estados e dos municípios possam ir a lojas e farmácias e retirar o produto das prateleiras.

Segundo a Anvisa, até que haja uma decisão sobre o uso da Caralluma no mercado brasileiro, os produtos apreendidos ficarão guardados em embalagens lacradas.


Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/saude

Pós-doutorado

Pós-doutorado no Butantan

Instituto está com inscrições abertas até 9 de janeiro para a seleção de um bolsista em farmacologia. Bolsa é de R$ 3,3 mil

Leia + AQUI