Secretaria Municipal de Saúde






Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.

Artigo Artigo XXV da Declaração Universal de Direitos Humanos



Saúde, Ciência, Pesquisa, Arte, Cultura, nossa gente da SMS, e o que mais possa interessar.



Organizado por William H Stutz

Veterinário Sanitarista

whstutz@gmail.com



Este Blog é independente, sem vínculo oficial com instituição alguma.
Todos
estão convidados a contribuir com informações de interesse coletivo.





quarta-feira, 27 de junho de 2012

"Junk food"

Olhar para imagens de "Junk food" ativa apetite para alimentos calóricos

Ver imagens de alimentos de alto teor calórico ativa regiões do cérebro ligadas ao controle do apetite e do sistema de recompensa

Foto: Stock Xchng

Olhar para imagens de alimentos altamente calóricos estimula a região do cérebro responsável por controlar o apetite e resulta em um desejo crescente por alimentos. É o que aponta estudo apresentado no 94ª edição do Endocrine Society Annual Meeting, nos Estados Unidos.

"Esta estimulação de áreas de recompensa do cérebro podem contribuir para a superalimentação e obesidade", diz a autora sênior do estudo Kathleen Page, da University of Southern California, Los Angeles.

Os pesquisadores utilizaram um equipamento de ressonância magnética funcional (fMRI) para estudar a resposta cerebral de 13 jovens obesas de origem latino-americana - grupo em alto risco para ganho de peso contínuo e obesidade. Cada voluntária foi submetida a dois exames de ressonância magnética enquanto viam blocos de imagens de alimentos altamente calóricos, como sorvetes e biscoitos, bem como alimentos de baixa caloria, como frutas e legumes, e produtos não alimentares. Após cada bloco de imagens semelhantes, os participantes classificaram, numa escala de 1 a 10, a sua fome e sua vontade de ingerir alimentos doces ou salgados. No meio dos exames, os participantes bebiam 50 gramas de glicose - quantidade de açúcar em uma lata de refrigerante - em uma ocasião e uma quantidade equivalente de frutose em outra ocasião.