Secretaria Municipal de Saúde






Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.

Artigo Artigo XXV da Declaração Universal de Direitos Humanos



Saúde, Ciência, Pesquisa, Arte, Cultura, nossa gente da SMS, e o que mais possa interessar.



Organizado por William H Stutz

Veterinário Sanitarista

whstutz@gmail.com



Este Blog é independente, sem vínculo oficial com instituição alguma.
Todos
estão convidados a contribuir com informações de interesse coletivo.





segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Hanseníase



Encontro discute políticas públicas para o tratamento da hanseníase

Considerada um dos seis centros de referência nacional no tratamento da Hanseníase, Uberlândia sediou na manhã deste sábado (11) o Encontro Estadual de Voluntários do Morhan (Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase), no anfiteatro da Universidade Federal de Uberlândia. Com a proposta de discutir questões estatutárias e regimentais, o encontro ainda possibilitou o levantamento de questões importantes para a elaboração e inserção de políticas publicadas voltadas à hanseníase em todo o Brasil.

A criação de centros de atenções básicas para a reabilitação de pacientes que tiveram a infecção do bacilo curada é um dos pontos importantes. As sequelas decorrentes das incapacidades neurológicas provocadas pela doença podem atingir 50% dos casos em todo o Brasil. Outro ponto relevante é reforçar com os profissionais de saúde o diagnóstico da hanseníase, visto que, embora seja uma patologia antiga, ela ainda não foi eliminada. “Precisamos ter cuidado. Os estados brasileiros que consideravam já ter eliminado a hanseníase de seu território precisam estar atentos. O Rio Grande do Sul, por exemplo, pensava ter acabado com a doença e de repente ela voltou a crescer absurdamente nos últimos anos. A gente não pode relaxar. Até que tenhamos controlado a doença, como é o caso do Japão que tem cinco casos por ano, a gente tem de se esforçar muito”, contou Artur Corrêa, gestor de Projetos Sociais ligado ao Morhan.