Secretaria Municipal de Saúde






Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.

Artigo Artigo XXV da Declaração Universal de Direitos Humanos



Saúde, Ciência, Pesquisa, Arte, Cultura, nossa gente da SMS, e o que mais possa interessar.



Organizado por William H Stutz

Veterinário Sanitarista

whstutz@gmail.com



Este Blog é independente, sem vínculo oficial com instituição alguma.
Todos
estão convidados a contribuir com informações de interesse coletivo.





quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Mohan

Movimento em MG reúne familiares separados por causa da hanseníase
Encontro em Uberlândia discutiu como conseguir indenização.

Segundo médica, mesmo após a cura paciente deve ser acompanhado.


Do G1 Triângulo Mineiro

(Foto: Tv Integração/Reprodução)

A busca por indenização para os filhos que foram separados dos pais com hanseníase foi um dos temas abordados neste fim de semana em Uberlândia, durante o encontro estadual do Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Mohan). Os pais começaram a ser indenizados em 2007 e o movimento também luta para combater o preconceito da sociedade contra os portadores da doença.


Segundo o gestor administrativo do Mohan Nacional, Arthur Correa, a estimativa é que 40 mil filhos tenham sido separados dos pais porque eles tinham hanseníase.  "E agora a gente está em uma luta para que o Estado reconheça isso também para os filhos porque eles também foram isolados, excluídos do convívio social e dos seus próprios pais. Além disso, sofreram barbaridades diversas, como temos em depoimento. Estamos na luta, não só pela indenização porque ela não paga o sofrimento, mas para que o Estado reconheça esse erro e gere um pouco mais de qualidade na vida destas pessoas", disse.

Ainda segundo Arthur, o movimento também ajuda a unir pessoas por meio de um banco de dados e exames de DNA. "A gente cadastrou cada um e começamos a encontrar dados que semelhantes. A partir disso, fizemos os exames de DNA, batemos os resultados e encontramos muitos familiares", contou.