Secretaria Municipal de Saúde






Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.

Artigo Artigo XXV da Declaração Universal de Direitos Humanos



Saúde, Ciência, Pesquisa, Arte, Cultura, nossa gente da SMS, e o que mais possa interessar.



Organizado por William H Stutz

Veterinário Sanitarista

whstutz@gmail.com



Este Blog é independente, sem vínculo oficial com instituição alguma.
Todos
estão convidados a contribuir com informações de interesse coletivo.





segunda-feira, 1 de abril de 2013

Escorpiões


Incidência de escorpião cresce 30% neste período do ano, em Uberlândia

Cindhi Belafonte Especial para o CORREIO

William Stutz alerta sobre os cuidados para evitar a proliferação


O aparecimento de escorpiões em Uberlândia nesta época do ano (março a maio) aumenta cerca de 30%, segundo o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), que chega a atender, em média, dez chamadas por dia. Devido à umidade e às altas temperaturas, comuns nessa época do ano, o ciclo de reprodução dos animais atinge seu ponto mais crítico e a proliferação das espécies se intensifica.

Com o aumento da incidência de escorpiões, os agentes do CCZ intensificaram o combate aos criadouros do animal. Diariamente, percorrem os bairros em que há registro de ocorrências para fazer capturas e orientar os moradores quanto à prevenção.

De acordo com o veterinário do CCZ William Stutz, nos primeiros três meses desse ano, foram capturados 423 escorpiões na cidade. “Ao todo, em 2012, encontramos 2019 animais em Uberlândia”, disse. Segundo ele, após a notificação, os agentes do centro vão até o local fazer a captura do animal e percorrem todas as casas do quarteirão para orientar os moradores quanto aos procedimentos para eliminar criadouros. “Em geral, os escorpiões podem chegar às casas pela rede de esgoto e se alojar em locais com alta temperatura e umidade. Por isso, é importante evitar acúmulo de lixo e manter telas de proteção nos ralos”, afirmou.

A picada do escorpião, segundo o veterinário é caracterizada por dor intensa na região atingida e pode ocasionar outros sintomas, como oscilações na pressão arterial e depressão respiratória. “É importante que, ao ser picado, a vítima procure atendimento médico imediato para os procedimentos adequados”, disse. Ele afirmou ainda que os efeitos da picada, como dores e contrações musculares, podem persistir por aproximadamente quatro dias, mas se o paciente for rapidamente medicado, o risco de óbito é bem reduzido.

Em Uberlândia, os hospitais habilitados para oferecer atendimento de emergência nesses casos são a Unidade de Atendimento Integrado Pampulha (UAI Pampulha) e o Pronto Socorro do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia.

Moradores precisam ficar alertas

No bairro Marta Helena, na zona norte da cidade, a doméstica Zélia Maria Freitas encontrou um escorpião em casa, há cerca de um mês. “Ele se escondeu no tênis do meu cunhado e, quando ele foi calçar, foi picado. Tivemos que correr com ele para o hospital”, disse. Segundo ela, essa foi a primeira vez que o animal apareceu em sua casa, mas, para evitar novos acidentes, ela notificou o CCZ. “Tenho duas crianças em casa e fico com medo por causa delas”, afirmou.

Com o aposentado João Dias da Silva, também morador do Marta Helena, aconteceu um caso semelhante. Ele descobriu um criadouro de escorpiões no fundo de sua casa. “Um dos bichos escapou e chamamos o CCZ para capturar. Depois, descobrimos que eles estavam escondidos embaixo das lenhas do nosso antigo fogão”, afirmou. Ele disse que os animais foram capturados pelos agentes e a lenha foi retirada do local. “Agora eu sei o que favorece a criação desses animais, vou cuidar para que eles não voltem a aparecer”, disse.

CCZ recolhe animais peçonhentos

Em caso de aparecer escorpião em casa, a população deve comunicar ao laboratório de animais peçonhentos do Centro de Controle de Zoonoses pelo telefone 3255-3028 e, de preferência, guardar o animal (vivo ou morto) para os técnicos registrarem o caso no monitoramento do município. “Nós temos um trabalho constante de captura de escorpião, temos locais de visitação frequente para monitorar, se a população do animal aumenta ou se aparece novas espécies na cidade”, disse o veterinário William Stutz.

O controle dos animais no município é feito pelos técnicos e veterinário do laboratório de animais peçonhentos do CCZ, que sistematicamente recolhem escorpiões pela cidade. De acordo com Stutz, em média são capturados cerca de 2 mil escorpiões por ano na cidade. Os animais são encaminhados para a Fundação Ezequiel Dias, em Belo Horizonte, para a produção de soro.

As regiões de maior predominância são perto dos córregos, no cemitério São Pedro e nos bairros Martins, Aparecida, Brasil e região central, onde existe maior concentração de construções antigas.


Cuidados para evitar criadouros

  •  evitar acúmulo de lixo e de entulhos
  •  manter telas de proteção em ralos (pias, tanques e banheiros)
  • vedar soleiras de portas
  •  evitar encostar camas e berços na parede
  •  rebocar paredes e pisos internos
  •  conferir sapatos fechados, principalmente tênis e botas, antes de calçá-los

Cuidados

Em caso de picada ou localização de escorpião, entrar em contato com laboratório de animais peçonhentos do Centro de Controle de Zoonoses pelo telefone 3255-3028.

Fonte: Jornal Correio de 1º de Abril de 2013