Secretaria Municipal de Saúde






Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.

Artigo Artigo XXV da Declaração Universal de Direitos Humanos



Saúde, Ciência, Pesquisa, Arte, Cultura, nossa gente da SMS, e o que mais possa interessar.



Organizado por William H Stutz

Veterinário Sanitarista

whstutz@gmail.com



Este Blog é independente, sem vínculo oficial com instituição alguma.
Todos
estão convidados a contribuir com informações de interesse coletivo.





segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Mortalidade infantil


Índice de mortalidade infantil em Uberlândia cai 19,73% em um ano, aponta DataSUS

Daniela Nogueira Repórter

O índice de mortalidade infantil em Uberlândia é menor que o de outras cidades mineiras de mesmo porte, como Juiz de Fora e Contagem, segundo os últimos dados divulgados pelo DataSUS, que reúne informações do Sistema Único de Saúde (SUS). Os indicadores, de 2011, mostram que a cada mil crianças nascidas vivas em Uberlândia, 10,59 morreram antes de completar um ano. Em 2012 e no primeiro trimestre de 2013, os índices foram 8,5 e 8,8 – uma queda de 19,73% e 17,73% respectivamente. Em Contagem a taxa de 2011 foi de 11,17 e, em Juiz de Fora, de 13,77. Essas cidades ainda não têm o fechamento do ano passado e o deste ano.
Índice de mortalidade infantil em Uberlândia cai 19,73% em um ano, aponta DataSUS


Aumento no número de leitos em UTI neonatal foi um entre outros 
motivos para a queda de mortes (Foto: Valter de Paula 18/8/2005 )

A Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza o índice de 10 bebês a cada mil nascidos vivos até o primeiro ano de vida. Para a coordenadora do programa Saúde da Criança e do Adolescente de Uberlândia, Raquel Cazabona, as ações de prevenção realizadas pela Secretaria de Saúde de Uberlândia desde 2010 são as responsáveis por manter a taxa da cidade mais baixa do que a de outros municípios. “A secretaria vem realizando trabalhos de treinamento das equipes de saúde para atender melhor a mãe e o bebê, melhoramos o pré-natal, estamos conscientizando as gestantes sobre os problemas que podem acontecer se não houver um acompanhamento da gestação e aumentamos o número de leitos em UTI neonatal”, disse Raquel Cazabona.

Ainda segundo a pediatra, cerca de 80% das crianças que morrem com menos de um ano nasceram prematuras. “O nascimento precoce ocorre por problemas na gestação, como a mãe apresentar pressão alta, infecção urinária, contração ou sangramento. Por isso, é importante que se dê mais atenção ao pré-natal.” Raquel Cazabona ainda afirmou que a má-formação e cardiopatia são os responsáveis pelos outros 20% de mortes entre as crianças até um ano de vida.
Em4 anos, óbitos caíram 34,45%

Um levantamento da Secretaria de Saúde de Uberlândia aponta que o índice de mortalidade infantil da cidade teve queda em 2012, quando, a cada mil crianças nascidas vivas, 8,5 morreram antes de completar o primeiro ano. Em quatro anos, a taxa caiu 35,45%, já que 13,17 crianças morreram durante o primeiro ano de vida a cada mil nascidas vivas em 2009.

A coordenadora do programa Saúde da Criança e do Adolescente de Uberlândia, Raquel Cazabona, afirmou que o cenário de mortalidade infantil em Uberlândia durante 2012 foi inédito. “Nós nunca tínhamos tido um resultado tão bom quanto o do último ano.” De acordo com ela, a secretaria não espera reduzir esse número, mas pretende manter o índice abaixo de 10, que é o recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Jornal Correio de Uberlândia 05/08/2013