Secretaria Municipal de Saúde






Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.

Artigo Artigo XXV da Declaração Universal de Direitos Humanos



Saúde, Ciência, Pesquisa, Arte, Cultura, nossa gente da SMS, e o que mais possa interessar.



Organizado por William H Stutz

Veterinário Sanitarista

whstutz@gmail.com



Este Blog é independente, sem vínculo oficial com instituição alguma.
Todos
estão convidados a contribuir com informações de interesse coletivo.





quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Menos é mais

Comecei a correr coisa de dois anos e meio atrás feito um louco. Sem orientação específica, apenas ajuda de grandes amigos corredores. Hoje mais disciplinado e focado, aprendi na bruta o que todos deem saber instintivamente. Exageros não levam a lugar nenhum, a não ser a lesões e prejudiciais interrupções de treinos. Já perdi corrida por conta disso. Encontrei este artigo. Achei muito bom e compartilho com com vocês. O título diz tudo. Boa leitura, ótimas corridas e malhação.Correr, caminhar, puxar ferro enfim  é preciso, enfim, movimentar é preciso.





Menos é mais: treinar em excesso não garante desempenho


Corredores que "puxam ferro" demais podem prejudicar a performance nas pistas

Num passado não tão distante a regra básica era que os corredores deveriam correr e os levantadores de peso deveriam fazer musculação. A preparação física para corredores era correr cada vez mais, até que vieram os treinos intervalados e regenerativos de Bowerman e Prefontaine, quando ficou bem definido que depois de um dia de treino intenso, deve-se treinar leve.

Nos anos 70, o então treinador da Universidade de Oregon, Bill Bowerman,treinava diversos competidores de elite, entre eles o recordista americano de diversas distâncias Steve Prefontaine. Entre suas teorias revolucionárias, ele contrariou os formatos de treinamento da época, em que os atletas costumavam pegar pesado vários dias da semana antes de descansar ou realizar uma atividade leve.
Saiba o que pode causar overtraining, o famoso excesso de treino

Hoje, vamos muito além desse conhecimento. Sabemos a partir de artigos científicos que o movimento e o fortalecimento leves, quando bem aplicados, são fisiologicamente importantes pelo efeito da mecanotransdução, ou seja, a explicação de como o estímulo mecânico atua sobre a célula muscular para que ela produza fibras estruturais que possibilitem a regeneração tecidual. Este processo ocorre também no alongamento e no fortalecimento.

Em todo treinamento é necessário fazer uma pausa.  Em todo treinamento é necessário fazer uma pausa.

Foto: Goran Bogicevic/ Fotolia

Mas, muito além de estudos científicos, é importantes trazer essas informações para nossa realidade e entender como isso interfere no nosso treino diretamente. Não é possível fazer um treino de fortalecimento agressivo, seja ele qual for: pilates, crossfit, musculação, treinamento funcional, etc, sem aumentar as microlesões que foram adquiridas durante o treinamento intenso de corrida. É bom entender que sou totalmente a favor desses tipos de fortalecimentos, mas quando feitos com consciência e planejamento.

Portanto, a regra é bem simples: o que te prepara para o seu esporte principal, para o qual você realmente está treinando para ter resultado, não pode ser agressivo a ponto de causar dor. A não ser que esteja num planejamento de início de temporada para ganho de massa muscular, o trabalho de força tem sempre que ser regenerativo para o corredor e nunca lesivo.

Trocando em miúdos: menos é mais!

Leia também  Saiba o que pode causar overtraining, o famoso excesso de treino

Fonte: www.webrun.com.br

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

O teatro do engano

O teatro do engano

Pesquisadora da Unicamp investiga as comédias do dramaturgo romano Plauto, referência para Shakespeare, Molière, Camões e Suassuna

A esposa colérica, o escravo astuto, o jovem apaixonado sem dinheiro, a meretriz, o parasita social. Esses são alguns dos personagens mais notórios da comédia de Plauto, dramaturgo romano nascido no século III a.C., cuja obra está entre os textos literários mais antigos preservados em latim. As comédias de Plauto foram retrabalhadas por escritores como William Shakespeare, Molière, Luís de Camões e, no caso brasileiro, Ariano Suassuna, que em 1957 usou como subtítulo de sua comédia O santo e a porca a frase “imitação nordestina de Plauto”.





Leia em: http://agencia.fapesp.br/18635

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Dia Mundial contra o Cancêr I


Musas

AJUDE A COMPARTILHAR O LINK! Um vídeo sobre prevenção do câncer de mama:
http://www.youtube.com/watch?v=hmToxWYyoCo