Secretaria Municipal de Saúde






Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.

Artigo Artigo XXV da Declaração Universal de Direitos Humanos



Saúde, Ciência, Pesquisa, Arte, Cultura, nossa gente da SMS, e o que mais possa interessar.



Organizado por William H Stutz

Veterinário Sanitarista

whstutz@gmail.com



Este Blog é independente, sem vínculo oficial com instituição alguma.
Todos
estão convidados a contribuir com informações de interesse coletivo.





segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Qualificação na atenção primária

Profissionais da saúde participam de oficina de qualificação na atenção primária
Especialista renomado em saúde pública, professor Eugênio Vilaça é um dos palestrantes


O Projeto Qualificação das Equipes para Coordenação das Redes de Atenção à Saúde será lançado pela Secretaria Municipal de Saúde, nesta quinta-feira (9), com a presença da assessora técnica para atenção primária à saúde do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass), Maria José Evangelista, e dos médicos consultores do Conass, Marco Antônio Bragança de Matos e Eugênio Vilaça Mendes.

O lançamento será às 14h, no bloco 3Q no Campus Santa Mônica, e faz parte das atividades desenvolvidas nas oficinas da Qualificação das Equipes de Saúde para Coordenação das Redes de Atenção, promovida pela secretaria.

Durante esta semana, os coordenadores municipais e gerentes das unidades da atenção básica, além dos demais profissionais da área da saúde do Município, participam de seminários e oficinas sobre como estabelecer padrões de qualidade comuns para a Atenção Primária à Saúde (APS). O objetivo é determinar a mesma linguagem no cuidado nas redes de atenção à saúde e nos diversos pontos de atenção.

No lançamento, o professor Eugênio Vilaça vai realizar uma oficina sobre o Acesso na Atenção Primária à Saúde. Eugênio é um dos mais renomados especialistas em saúde pública do Brasil, com vários livros publicados sobre o assunto. Ele destacou-se como sanitarista, oferecendo grande contribuição para a melhoria da saúde pública no Brasil, além de conquistar reconhecimento internacional.

Durante 10 anos, foi consultor da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), além de prestar consultoria para o Banco Mundial e para o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e consultoria para várias Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde.



Fonte SECOM Portal da Prefeitura de Uberlândia

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Tattoo do Bem


 Paulo Oliveira personalizou a tatuagem informativa com uma raposa 
(Foto: Livea Viana/Arquivo Pessoal)


Artista de MG cria tatuagens de alerta sobre doenças e tipos sanguíneos

Tatuagens geralmente marcam algo especial e, em alguns casos, a arte pode ajudar a carregar alertas na pele, informando doenças crônicas, alergias, tipos sanguíneos e até se a pessoa é doadora de órgãos, por exemplo. Em Uberaba, a artista plástica Marcelly Corrêa, de 36 anos, investe nessa proposta com o projeto “Tattoo do Bem".

Marcelly se inspirou na ideia de uma tatuadora de São Paulo, Buuh Safeco, que fazia esse tipo de tatuagem cobrando apenas o valor de custo. “Pensei: ‘quero ajudar estas pessoas’. É o mínimo que posso fazer”, contou.

Depois de postar o projeto em sua página no Facebook, Marcelly está surpresa com a repercussão. “Em uma semana, o post teve centenas de compartilhamentos e milhares de visualizações. Tem até pessoas vindo de outras cidades para fazerem a tatuagem de alerta. Estou muito feliz com a repercussão do projeto na cidade e região”, comentou.

Apesar de ter um caráter informativo, as "tatuagens do bem" são personalizadas, de acordo com o gosto do cliente. “Eu tento alinhar a funcionalidade com a expectativa do cliente, seguindo minha linha artística”, destacou a tatuadora.

Qualquer pessoa que tenha uma doença que exija cuidados específicos em uma emergência, transtornos, alergias, tipo sanguíneo pode fazer a tatuagem pelo preço que varia de R$ 40 a R$ 70. O estúdio funciona há pouco mais de dois meses no Bairro Fabrício.

Leia mais em G1